Baterias comandaram ensaio técnico das escolas de samba de Corumbá

A garoa deu uma trégua na noite deste sábado, 22 de fevereiro, e o Ensaio Técnico das Escolas de Samba de Corumbá antecipou parte da festa programada para acontecer entre os dias, 02 e 03 de março, domingo e segunda-feira de carnaval, quando as dez agremiações filiadas à Liesco (Liga Independente das Escolas de Samba de Corumbá) se apresentarão pela avenida General Rondon com o intuito da conquista do título de campeã.

 

 

Ao longo do percurso, as escolas já puderam dimensionar o espaço que terão para evoluírem, uma vez que as arquibancadas já estavam montadas e liberadas para o público presente, tais quais como ficarão durante os dias dos desfiles competitivos. O sistema de sonorização também foi avaliado pelos mestres de bateria e intérpretes.

 

 

Anderson Bosh, consultor de assuntos carnavalescos da Liesco e responsável pela coordenação do corpo de jurados, explicou o motivo pelo qual o ensaio técnico é elemento imprescindível para as agremiações. “É uma prévia do que será a harmonia, a evolução e o conjunto porque a escola precisa saber das dimensões, o recuo da bateria, enfim todos esses detalhes que influenciam em alguns quesitos que estão em avaliação durante os dias de carnaval”, comentou ao lembrar que o desfile, antes de diversão, é planejamento estratégico.

 

 

“É um primeiro desenho de estratégia, esta que surge depois desse ensaio porque, antes, não daria pra pensar desse modo já que não teria arquibancada, nem definição do recuo, da metragem, não teria um monte de coisa. Os diretores vêm para cá e conseguem estabelecer um plano estratégico para a harmonia, que é o mais importante aqui, sem contar o som”, avaliou.

 

Até mesmo a chuva, que deixou os paralelepípedos e o asfalto molhados, serviu como um desafio para aqueles que, como as passistas e os casais de mestres-salas e porta-bandeiras precisam de segurança para apresentar as coreografias.

 

 

A equipe da Fundação de Cultura de Corumbá, responsável pela estrutura da passarela do samba, acompanhou tudo de perto, inclusive a diretora-presidente da autarquia municipal, Márcia Rolon. Ela lembrou o planejamento para esta grande festa popular que começou muito tempo antes.

 

 

“Ano passado, após o carnaval, nós fizemos uma reunião técnica e tudo o que foi abordado lá, hoje está acontecendo. Isso é muito produtivo para a Fundação de Cultura como organização”, frisou ao citar como exemplo as arquibancadas que já estavam todas montadas como solicitado pelas entidades carnavalescas.

 

 

“Estamos muito alinhados porque a gente sabe que quem faz o carnaval é a escola é o bloco, são as pessoas. Nós, que organizamos isso tudo, somos empregados e fazemos o nosso máximo para fazer tudo da melhor forma possível. É um momento de alinhamento”, resumiu a gestora destacando a reunião realizada, antes do início do ensaio, com os dirigentes de cada agremiação sobre a estrutura a ser utilizada este ano.

 

 

Enquanto para uns o ensaio era momento de análise, de planejamento, para outros, a maioria, era momento de extravasar a alegria com a escola do coração. Após a passagem dos setores, grupos de pessoas de todas as idades seguiam as baterias, que deram um show à parte, ate à dispersão com os sambas na “ponta da língua”. No recuo, várias baterias optaram por coreografias, deixando o espetáculo muito mais empolgante, porém os dirigentes afirmaram que as novidades ficaram guardadas mesmo para o dia do desfile.

 

 

Início dos festejos

 

 

Márcia Rolon aproveitou para convidar toda população a participar dos festejos de momo que começam oficialmente, em Corumbá, na quarta-feira, 26 de fevereiro, com o bloco Sandálias de Frei Mariano. Ela lembrou ainda que no dia seguinte, quinta-feira, 27, o Desfile de Fantasias terá entrada gratuita para a população no Centro Popular de Esporte, Cultura e Lazer Nação Guató, onde mais de 40 metros de arquibancadas serão instalados.

 

 

“Vários fatores nos fizeram deslocar o desfile para o Guatozão. Um deles foi a solicitação dos carnavalescos por um local mais amplo para montagem das fantasias e evolução durante o desfile; outro foi o fato do espaço onde era feito anteriormente não apresentar o alvará do Corpo de Bombeiros; outro ainda é a chance de descentralizar as atrações do carnaval, levando-as para mais pessoas”, ressaltou Rolon ao frisar que o novo local já recebeu grandes eventos durante o ano passado e tem uma estrutura compatível com o dimensão demandada pelo Desfile de Fantasias.