Usina de ferro-ligas será reativada e deve gerar 100 empregos diretos

A usina de ferro-ligas localizada no bairro Previsul, região oeste de Corumbá, será reativada em 2014.  O sistema – parado desde 2009 – foi adquirido pela Granha Ligas e deve começar a operar em até três meses, inicialmente com dois dos três fornos existentes no local. A expectativa é que 100 novas vagas de trabalho sejam criadas na cidade.

 

“Vamos produzir o ferro-ligas à base de manganês”, informou Manuel Ignácio Martinez, sócio-proprietário do grupo siderúrgico sediado no estado de Minas Gerais, ao se reunir com o prefeito Paulo Duarte na tarde dessa quinta-feira, 23. O diretor de operações de ferrosos do Centro-Oeste da Mineradora Vale, Alexandre Campanha, também participou do encontro.

 

“Um empreendimento deste porte é muito importante para o município, pois gera centenas de empregos diretos e indiretos e movimenta toda a economia local”, observou o chefe do Executivo municipal, destacando o empenho da Prefeitura em atrair mais empresas e serviços para a região.

 

“Essa é uma notícia muito boa para a cidade. Trabalhamos para criar um ambiente favorável para que novos empreendimentos se instalem aqui, sempre respeitando todas as questões ambientais relacionadas a nossa maior riqueza, que é o Pantanal”, complementou o prefeito, adiantando que outras novidades devem ser anunciadas muito em breve.

 

Granha Ligas

 

A Granha Ligas é uma empresa produtora de ferroligas, situada em Minas Gerais, possuindo suas unidades fabris em Conselheiro Lafaiete e São João Del Rei. Seus principais produtos são o Ferro Sílico Manganês (FeSiMn 12/16%Si) e Ferro Manganês Alto Carbono (FeMnAC), sendo fabricados a partir de minérios de manganês, fundentes e redutores.

 

Os minérios são quase que em sua totalidade de minas pertencentes ao grupo, localizadas em Minas Gerais e na Bahia. É uma empresa certificada pela ISO 9001:2000 desde 2006, mantendo-se merecedora desse certificado durante todas as auditorias de manutenção pelas quais passou.

 

O grupo hoje firma-se como o terceiro maior do País em seu segmento. Da sua produção, 80% é destinado para o Mercado Interno, onde seus principais clientes são os maiores produtores de aço do Brasil, e 20% para exportação, tendo como principais mercados a América do Sul e a Europa.