Prefeitura fiscaliza lava-jatos da cidade e interdita empreendimento ilegal

A Prefeitura de Corumbá intensificou nesta semana o trabalho de fiscalização e inspeção nos lava-jatos da cidade. A ação é desenvolvida pela Fundação de Meio Ambiente do Pantanal com objetivo de evitar a poluição da rede de galerias de águas pluviais.

 

Além de verificar a validade das licenças ambientais, os técnicos do Município estão observando o funcionamento da caixa separadora, equipamento obrigatório que impede o descarte do óleo e outros resíduos diretamente no meio ambiente.

 

“Essa caixa precisa ser limpa periodicamente. Quando isso não ocorre, esses dejetos acabam indo para as galerias pluviais sem nenhum tipo de tratamento”, explicou a diretora-presidente da Fundação de Meio Ambiente, Luciene Deová.

 

Em alguns casos, determinados tipos de resíduos podem até provocar o entupimento das bocas de lobo, causando o alagamento desses locais durante as chuvas. “Situações como essa já foram constatadas pela Seinfrah em diversos pontos, inclusive da área Central da cidade”, continuou Luciene.

 

Nos estabelecimentos onde as caixas separadoras estiverem mal conservadas, os proprietários serão notificados e terão o prazo de 24 horas para efetuar a limpeza. Onde o equipamento inexiste, o lava-jato será autuado e imediatamente interditado.

 

Foi o que ocorreu em um estabelecimento localizado na rua Dom Aquino, bairro Dom Bosco. Durante a vistoria da Fundação de Meio Ambiente, foi constatado que o local não possuía nenhum tipo de alvará ou licença para funcionamento. Outros quatro empreendimentos foram vistoriados nessa segunda-feira.

 

Três funcionam normalmente, inclusive com a caixa separadora bem conservada, e um estava desativado para este tipo de atividade. “A ação de fiscalização será periódica e deve, neste primeiro momento, chegar a todos os lava-jatos da cidade. Em um segundo momento, o trabalho será estendido para as oficinas mecânicas”, completou a diretora-presidente da Fundação de Meio Ambiente.