Corumbá teve 10 projetos contemplados pelo PAC das Cidades Históricas

Corumbá foi a única cidade do Mato Grosso do Sul e uma das 44 do Brasil contemplada pelo PAC das Cidades Históricas, programa do Governo Federal que vai permitir revitalizar seu patrimônio histórico. Serão R$ 19,6 milhões que serão aplicados na restauração e requalificação de prédios e equipamentos históricos, localizados na área tombada pelo Patrimônio Histórico Nacional, e de entorno.

 

Dez projetos foram contemplados pelo PAC das Cidades Históricas, de um total de 11 apresentados. São a restauração do prédio da antiga Prefeitura Municipal, do Hotel Internacional, do antigo Presídio (Casa do Artesão), do Casarão da Comissão Mista, do Instituto Luiz de Albuquerque (ILA), da Igreja Nossa Senhora da Candelária, além do antigo mercadão.

 

Foi contemplada também a Praça do Uruguai, (incluída junto com o projeto do antigo Mercado Municipal), bem como as praças da República e da Independência (requalificação). O décimo projeto é a ligação da parte alta e parte baixa da cidade (acessibilidade).

 

Antiga Prefeitura

 

O prédio da antiga Prefeitura localizado na Rua 13 de Junho, esquina com a 15 de Novembro, foi construído no início do século XX pelo italiano Martino Santa Lucci para abrigar o “Hotel Royal”. Posteriormente, e por longos anos, foi sede do governo municipal, e pertence ao município até os dias atuais.

 

Construção de estilo eclético e de relevante valor histórico e arquitetônico, passou por algumas  intervenções ao longo dos anos, como construção de anexos. Apesar de suas características originais não terem sido perdidas, o atual estado de conservação é muito ruim.

 

A proposta da Prefeitura é revitalizar a edificação para que ali funcione o receptivo do Gabinete do Prefeito, o Centro de Atendimento ao Turista (CAT), além de serviços de atendimento ao cidadão, recuperando e agregando valor social e econômico ao patrimônio cultural.

 

Hotel Internacional

 

Situado no limite da área tombada com área de entorno, na Rua Frei Mariano, o Hotel Internacional é uma edificação em estilo eclético, que está anexada ao Hotel Galileu, e que embeleza o conjunto arquitetônico da região. Seu estado de conservação é crítico, pois não sofreu nenhuma recuperação até hoje.

 

A proposta é restaurar a edificação e dotá-la de elementos necessários para abrigar algumas fundações ou secretarias municipais.

 

Casa do Artesão

 

Construído no século XIX, sob as ordens da Intendência Municipal de Corumbá, o prédio localizado na Rua Dom Aquino, abrigou a cadeia pública da cidade entre 1905 e 1970. Desativada durante cinco anos, foi restaurada em 1975 pela PRO-SOL (Fundação de Promoção Social de Mato Grosso), se transformando na Casa do Artesão, onde cada cela se tornou uma loja. Atualmente, abriga oficinas como a do couro de peixe, da salsa parrilha e ladrilho hidráulico. O estado de conservação do imóvel é ruim.

 

Pelo PAC das Cidades Históricas, a Prefeitura, que recebeu o prédio do Governo do Estado, vai revitalizar o imóvel para atender as atividades funcionais das oficinas e, consequentemente, das lojas, promovendo a venda do artesanato e de outras produções, para o melhor atendimento ao turista e ao desenvolvimento socioeconômico local.

 

Comissão Mista

 

Construído para sediar a Comissão Mista Brasil – Paraguai, que pretendia ligar o Atlântico ao Pacífico, o prédio está localizado na área de entorno, na Rua Antonio Maria Coelho, esquina com a 13 de Junho. A edificação está em estado crítico. Atualmente abriga a Escola de Música e a Banda Municipal Manoel Florêncio que atende 400 alunos.

 

Com o PAC das Cidades Históricas, será feita a recuperação do total do bem patrimonial para dar condição de uso adequado para a Escola e a Banda de Música Municipal, bem como para receber a Oficina de Dança do Pantanal de Corumbá.

 

ILA

 

O Instituto Luiz de Albuquerque, localizado na Travessa Helô Urt, foi construído entre 1918 e 1922, em estilo neoclássico. É um dos exemplares mais significativos do patrimônio histórico local. Foi sede do Grupo Escolar Luiz de Albuquerque e, no final de 1978, passou a ser sede do ILA (Instituto Luiz de Albuquerque).

 

Atualmente, o prédio abriga a Fundação de Cultura de Corumbá, o Museu do Pantanal e duas das maiores bibliotecas do Estado: A Biblioteca Municipal Lobivar de Mattos e a Biblioteca Estadual Gabriel Vandoni de Barros. O prédio está íntegro, porém o estado de conservação interna é ruim.

 

Agora, a Prefeitura vai trabalhar para deixar o imóvel em condição de acondicionar o acervo das bibliotecas e do museu. Desenvolver projeto museológico, museográfico, luminotécico de climatização e de segurança, além de adaptações e soluções de acessibilidade.

 

O projeto prevê ainda destinar salas para a reserva técnica e higienização do acervo assim como salas de apoio ao Carnaval Cultural, Festa do Banho de São João e Festival América do Sul, e para a Escola do Patrimônio Cultural e a Casa da Memória de Corumbá.

 

Praça da República

 

Espaço público de valor histórico e cultural inquestionável, a Praça da República, localizada na Travessa Helô Urt, foi um dos palcos da batalha da Guerra do Paraguai. Possui diferentes monumentos que materializam essa história, mas que se encontram deteriorados. Situada na região central da cidade, na área de entorno de tombamento, a praça passou por melhorias em 2012, porém elas se limitaram à iluminação e jardinagem.

 

A proposta com o PAC é requalificar o espaço público recuperando as condições originais do bem cultural e de seus monumentos, os quais se encontram deteriorados estética e fisicamente. Além disso, pretende-se recuperar os pisos danificados, fazer adequação para acessibilidade e sinalização turística, promovendo mais segurança e qualidade de uso nesta área.

 

Igreja Nossa Senhora da Candelária

 

A construção da Igreja Matriz de Nossa Senhora da Candelária, localizada na Travessa Helô Urt, foi concluída em 1870. Em 1910 foi elevada à categoria de sede da diocese. Em seu interior há alguns altares originais, com o brasão da coroa portuguesa, construídos em mármore importado da Europa.

 

Possui arquitetura eclética, mas, ao longo dos anos, sofreu muitas intervenções, as quais resultaram na perda de alguns elementos decorativos, tanto em seu interior quanto em seu exterior.

 

A proposta é recuperar este bem, refazendo as partes danificadas e reconstituindo as condições originais do patrimônio cultural imóvel, e integrá-lo às outras propostas do entorno ( ILA, Comissão Mista e Praça da República), numa solução de continuidade e de uso compartilhado de espaços.

 

Praça da Independência

 

A Praça da Independência foi inaugurado em 1917. Local de grande importância histórica, paisagística e ambiental, a praça reverencia os heróis da Guerra do Paraguai. Toda a sua murada é em granito, com portões de ferro e calcamento interno em pedra portuguesa. Vieram da Europa o coreto em estrutura pré-moldada estilo artnoveau, e quatro esculturas em pedra de mármore, representando as estações do ano.

 

A proposta é requalificar o espaço público com iluminação de destaque, restauração dos monumentos e melhorias nos equipamentos públicos de lazer e recreação, garantindo sua preservação e autenticidade, valorizando os prédios históricos à sua volta, e incorporando a praça ao desenvolvimento econômico e turístico local.

 

Mercadão e Praça Uruguai

 

Conjunto de edificação e espaço público construído e inaugurado em 1963, para abrigar o Mercado Municipal e a praça denominada Uruguai. Atualmente funciona ali, de forma inadequada o Centro de Referência de Saúde do Trabalhador. O prédio se encontra descaracterizado internamente e a praça foi sendo ‘estrangulada’ pelas construções e pelo estacionamento existente, pouco lembrando o espaço público que foi o ano passado.

 

Com o PAC das Cidades Históricas a Prefeitura vai revitalizar e reconverter funcionalmente o prédio, deixando-o em condições de abrigar adequadamente a Feira do Produtor Rural.

 

Como o imóvel está localizado próximo a dois importantes prédios históricos de Corumbá, a Casa do Artesão e o ILA, além de estar dentro da área da feira livre central de domingo, a revitalização do imóvel constituirá em um instrumento de progresso local e de suporte às cadeias produtivas rurais. O projeto de requalificação da praça propõe paisagismo, recuperação de pisos, iluminação de destaque e melhoria dos equipamentos públicos.

 

Acessibilidade

 

Logo acima da encosta, dentro da área protegida pelo Iphan, paralelo ao Rio Paraguai, está a Avenida General Rondon, que é interrompida por depressão geológica entre as ruas Antônio Maria e Antônio João, na altura da Travessa Mercúrio. É o local para o qual a Prefeitura propôs o projeto de acessibilidade.

 

A intenção com o PAC é promover o acesso de um ponto ao outro da avenida, por meio da elaboração de projeto e construção de passarela para pedestres, promovendo a acessibilidade da parte alta à parte baixa da cidade, além de requalificar a área com iluminação e sinalização turística.