Para dona Izulina, recuperar as estátuas é uma ‘brincadeira de criança’

Ela demorou um ano e cinco meses para produzir as 72 estátuas que integram as 14 estações da Via Sacra, na subida do Morro do Cruzeiro. Passados os anos, 28 peças estão sendo totalmente recuperadas pela artista plástica. Muito trabalho? Não. Para dona Izulina Xavier, este período em seu atelier ao ar livre, está sendo gratificante. Tem sido uma forma de lembrar a sua infância em meio ao gado que estava sendo apartado, quando aproveitava para brincar de produzir pequenas imagens, com barro.

 

Hoje, o material utilizado é o cimento. Mas, segundo ela, é a única coisa que mudou. “Não é trabalho. A gente está brincando aqui. Gosto de brincar, lembrar meu tempo de criança quando fazia pequenas imagens com barro. Demoramos um ano e cinco meses para produzir todas as 72 peças da Via Sacra. Agora, estamos recuperando 28 que estavam bastante danificadas. A maioria está sendo refeita. Mas a gente faz com alegria tudo isso, brincando”, comentava a artista plástica na tarde de ontem, sem saber que o prefeito Paulo Duarte e a primeira dama e presidente da Fundação de Desenvolvimento Urbano e Patrimônio Histórico, Maria Clara Scardini, estava, chegando para uma visita e acompanhar a ‘brincadeira’ de dona Izulina.

 

Enquanto recuperava o braço de uma das estátuas, Izulina comentava que o serviço está sendo rápido. Bem mais rápido que a primeira vez, quando todas foram produzidas. Elogiou sua equipe (Marcos Queiróz, Lucas Mário Pedrosa Maciel e Anderson Santos) e revelou que seu desejo era levar todas as peças antes do Natal, para iniciar a segunda etapa, que é a restauração da Via Sacra, na subida do morro. No entanto, apesar do ritmo forte de trabalho, as 28 peças que estão sendo recuperadas (refeitas), vão estar prontas em janeiro.

 

Em três semanas de serviço, nove peças estão recuperadas, restando somente a pintura. Outras seis se encontram em fase de acabamento. As 15 serão as primeiras que retornaram à Via Sacra e, até o final de janeiro, as demais (13) serão instaladas no local, quando então Izulina Xavier e sua equipe iniciam a próxima etapa, que é restauras as outras 44 imagens.

 

A artista plástica revelou ainda que a maioria das estátuas está sendo refeita. Isto devido às condições em que se encontravam. A equipe responsável pela recuperação tem feito de tudo para conservar o rosto, apesar de quatro delas já não possuir as cabeças.

 

Enquanto Izulina recebia o prefeito Paulo Duarte e Maria Clara, que estavam acompanhados de sua neta, a arquiteta Lauzier Xavier, secretária executiva da Fuphan, Marcos Queiróz revelava que fotografias de todo o acervo, tem auxiliado o trabalho. “A nossa sorte é que temos fotos de todas as peças, de todas as estações. Isto tem ajudando bastante o trabalho para manter a originalidade”, informou.

 

Restauração

 

A recuperação das imagens e restauração da Via Sacra foi uma decisão do prefeito Paulo Duarte, para manter em perfeitas condições as 14 estações com 72 esculturas de Izulina Xavier que representam o calvário vivido por Jesus Cristo, desde a condenação por Pôncio Pilatos até a morte na cruz, ao logo da subida do Morro do Cruzeiro.

 

O trabalho faz parte de um projeto da Prefeitura de Corumbá, por meio da Fundação de Desenvolvimento Urbano e Patrimônio Histórico, que prevê intervenções inclusive no alto do morro, onde está edificada a imagem de 12 metros de altura do Cristo Rei do Pantanal de braços abertos para a cidade e para o Pantanal.