Cinecidadania estreia emocionando comunidade do bairro Guató

Um adolescente negro, obeso e filho de uma mãe viciada, marcado pela rejeição em vários lares adotivos e que encontra o acolhimento verdadeiro em uma família branca de classe alta, que acredita em seu potencial: esse filme, baseado em uma história real, foi o escolhido para estrear o Cinecidadania nesta terça-feira, 10, e emocionar a comunidade do bairro Guató na primeira edição do programa, no Centro de Referência de Assistência Social da Nova Corumbá, o CRAS II.

 

O programa, desenvolvido pela prefeitura de Corumbá, por meio da Secretaria de Assistência Social e Cidadania, tem o objetivo de tratar mais de perto os mais diferentes temas com a comunidade dos bairros da cidade de forma lúdica e inclusiva, por meio da Sétima Arte.

 

Segundo o subsecretário da Secretaria de Assistência Social e Cidadania, Nilo Corrêa, a primeira edição do programa foi um sucesso e a ideia é envolver todos os CRAS da cidade, sempre com apresentações de filmes com temas importantes para permitir uma troca de ideias entre os integrantes do Poder Público com a comunidade. “Foi um sucesso! Vamos continuar nessa proposta de levar um filme diferente para cada comunidade e sempre após a apresentação, realizar uma roda de conversa sobre o assunto, como uma forma de construção do olhar critico sobre a realidade do filme e da comunidade, podendo ser apontados ali, sugestões para outras ações”, explicou o subsecretário.

 

Nesta terça, os jovens e adolescentes do bairro Guató tiveram a oportunidade de assistir o filme Um Sonho Possível e conhecer a história real (baseada no Livro The Blind Side: Evolution of a Game, de Michael Lewis) de Michael Oher, mais conhecido como Big Mike, um jovem sem casa, negro, vindo de um lar destruído, que é acolhido por uma família branca de classe alta, que acredita em seu potencial. Com a ajuda do treinador de futebol americano de sua escola e de sua nova família, Oher supera diversos desafios à sua frente, o que também muda a vida de todos a sua volta. “Uma história de amor e de superação que, com certeza, terá um efeito inspirador para aqueles que assistiram o filme”, disse.

 

Como toda boa sessão de cinema, foi servida pipoca quentinha à vontade a todos os presentes. A data da próxima sessão do Cinecidadania ainda não foi definida, mas deve ocorrer em breve em algum CRAS da cidade.