Festival ecogastronômico estimula uso de produtos alternativos do Pantanal

Nada contra os manjados e deliciosos pintados e pacus, mas os turistas e moradores locais da região do Pantanal precisam conhecer melhor e saborear outras espécies de peixes e itens alternativos considerados maravilhosos para a gastronomia.

 

Essa é uma das propostas do 1º Festival Ecogastronômico que acontece em Corumbá, simultaneamente ao 1º EcoPantanal – Unidos pelo Desenvolvimento Sustentável. O patrocínio do EcoPantanal é da Petrobras e da Vale. O festival é promovido pela Prefeitura de Corumbá.

 

O coordenador do Festival Ecogastronômico, Antonio Albaneze, da Fundação de Cultura, disse que a parceria com o EcoPantanal é favorável aos dois eventos. Até 2012, Corumbá promovia o festival gastronômico, em novembro, que tinha como função movimentar a cidade fora do período de pesca – que fica proibida com a piracema – e capacitar a mão-de-obra local, além de difundir a cultura pantaneira por meio da gastronomia.

 

O EcoPantanal serviu de estímulo para que o setor se organizasse em torno de uma temática que tem mobilizado chefs nos grandes centros do país: a sustentabilidade na gastronomia. Albaneze conta que 07 ecochefs de renome nacional estarão participando do festival, oportunidade em que vão expor suas preocupações com a qualidade dos alimentos, a procedência e a questão social envolvendo a produção.

 

“São profissionais que se importam com a viabilidade da agricultura familiar, com os riscos de desmatamento e também com a oferta de alimentos orgânicos. Eles querem saber de que forma os ingredientes foram produzidos”, disse o coordenador.

 

Os peixes

 

O Pantanal tem uma oferta de peixes que poucos turistas chegam a saborear. Albaneze disse que a ideia é promover essas espécies alternativas, até como forma de conservar a oferta do pacu e do pintado, os mais comercializados na região. “Por que não fazer um ceviche de piranha, um palmito grelhado, uma jeripoca assada ou um filé de armao ao molho de vinho?”, questiona.

 

A bocaiúva é outro produto pouco explorado pela gastronomia local e que terá demonstrações nos dias do evento, assim como os produtos processados pesquisados pela Embrapa Pantanal (Corumbá-MS), Unidade da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – Embrapa, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, como o peixe defumado e o patê. “Queremos utilizar produtos que o Pantanal oferece sem necessidade de desmatar ou de degradar e que não são valorizados”, disse Albaneze.

 

Ele afirma que o tema do festival neste ano será Comida de Boteco e os chefs vão preparar petiscos utilizando os ingredientes alternativos.

 

Capacitação

 

Um dos pontos altos do Festival Ecogastronômico acontecerá nas manhãs de 27 a 29 de novembro. Os ecochefs vão capacitar merendeiras de escolas e creches municipais e cozinheiros de barco-hotéis, hotéis e restaurantes da região. “Eles vão abordar desde como evitar desperdício de alimentos até a importância de diversificar os cardápios, como forma de preservar o que o Pantanal oferece”, disse Albaneze.

 

Nos mesmos dias, das 18h30 às 19h30, haverá aulas-shows de gastronomia promovidas com produtos locais. Elas serão exibidas em um telão instalado no Pavilhão Cultural, na área externa do Centro de Convenções, e terão participação gratuita, assim como todas as outras atividades do EcoPantanal.

 

O coordenador do festival lembra que a essência do EcoPantanal e Simpan é discutir o que se produz no Pantanal e que o papel da Embrapa é pesquisar melhores possibilidades de alimentação. O Festival Ecogastronômico acontece no Pavilhão Gastronômico, dentro do centro de convenções.

 

Os eventos são uma realização da Embrapa Pantanal em conjunto com a UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul), ICS (Instituto de Comunicação Social do Brasil) e Prefeitura de Corumbá.

 

O Governo do Estado de Mato Grosso do Sul, por meio da Seprotur (Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agrário, da Produção, da Indústria, do Comércio e do Turismo), a Fundect (Fundação de Apoio e Amparo à Pesquisa do Mato Grosso do Sul) e a Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) apoiam os eventos.

 

São parceiros do EcoPantanal a Marinha do Brasil, Exército Brasileiro, Fundação O Boticário, Polícia Militar Ambiental, Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis), UEMS (Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul), Câmara Municipal de Corumbá, Instituto Moinho Cultural, Instituto Homem Pantaneiro, Cia. Teatral Cenarte, Tecolit – Telhas Ecológicas, Quadri Supermercados, Seher Turismo, Centro de Tecnologia Mineral, Ministério de Minas e Energia, ANA (Agência Nacional de Águas), Ministério do Meio Ambiente, CPP (Centro de Pesquisa do Pantanal) e Azul Linhas Aéreas. Para saber mais, acesse www.ecopantanal.eco.br. (Ana Maio – Núcleo de Comunicação Organizacional da Embrapa Pantanal)