Conferência Nacional do Meio Ambiente tem representante corumbaense

Iniciada nesta quinta-feira, 24 de outubro, a IV Conferência Nacional do Meio Ambiente (CNMA) tem uma representante da cidade de Corumbá nos debates que seguem até o próximo dia 27, domingo, em Brasília, no Centro Internacional de Convenções do Brasil.

 

A bióloga Fátima Ale Seher, Gestora Ambiental e de Projetos em Desenvolvimento da Fundação de Meio Ambiente do Pantanal, integra a delegação do estado de Mato Grosso do Sul, representando Corumbá. Ela foi eleita para uma das seis vagas do segmento governamental durante a etapa estadual das discussões em torno do tema realizada no último mês de agosto, na capital Campo Grande.

 

“Representar Corumbá na Conferência Nacional do Meio Ambiente implica em chamar a atenção do Ministério do Meio Ambiente para as peculiaridades deste bioma de imensurável beleza que é o Pantanal. Para mim, que trabalho como bióloga na Fundação do Meio Ambiente do Pantanal, é de suma importância ter direito a voz e voto em uma Conferência que tratará da Lei 12305/2010, que institui a Política Nacional dos Resíduos Sólidos”, disse ao comentar sobre o assunto que deve dominar as discussões.

 

O Plano Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) instituído pela citada lei estabelece princípios e normas que devem ser adotadas para uma nova forma de gerir o lixo produzido, entre elas, a extinção dos lixões a céu aberto em todo o país até 2014.

 

“Sabe-se que não existe “jogar o lixo fora”; o fora não existe, vivemos em um planeta onde os ambientes encontram-se conectados e toda ação acarretará em uma reação a princípio local, mas que a longo prazo será global. Espero que um dia o ser humano se sinta inserido no meio ambiente em que vive. Aí sim, ele passará a ter novas posturas diante das questões socioambientais, pois terá assimilado que a sua qualidade de vida encontra-se intrinsecamente relacionada à conservação de um meio ambiente saudável”, avaliou a bióloga.

 

Fátima destaca que com a implantação da coleta seletiva, no mês de junho, em Corumbá, o município mostra que já avança em pontos elencados no PNRS. O material recolhido vem gerando renda para as 30 famílias que integram as duas associações de catadores, Vale da Esperança e Preservadores do Meio Ambiente, responsáveis pela triagem e separação do lixo seco.

 

A representante corumbaense salienta que, entre as propostas, estão aquelas que contemplam particularidades de nossa região e que, muitas vezes, acabam sendo sufocadas por demandas gerais.

 

“Lutarei pela criação de políticas públicas ambientais que atendam as singularidades presentes em nossa região, visto que além de estarmos localizados em área de fronteira, ainda há a questão da existência de lugares de difícil acesso no Pantanal, maior planície de inundação contínua do mundo”, comentou ao lembrar que outras propostas defendidas na etapa estadual serão apresentadas.

 

“Defenderemos: a certificação (selo verde) para as empresas com compromisso socioambiental e práticas ecoeficientes e de rotulagem ambiental para os produtos e exigir por força da lei que as indústrias coloquem nos rótulos de seus produtos a metodologia utilizada e a quantidade de recursos naturais utilizados para sua produção; a construção de Ecopontos na área urbana, assim como nas áreas rurais; o desenvolvimento de políticas públicas de incentivo à produção sustentável de alimentos e sistemas agroecológicos, valorizando a agricultura orgânica dos pequenos assentamentos rurais”, pontuou.

 

Organizada pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA), a IV Conferência Nacional do Meio Ambiente tem como lema “Vamos cuidar do Brasil”, com foco em quatro eixos principais: I – Produção e Consumo Sustentáveis; II – Redução dos Impactos Ambientais; III – Geração de Trabalho, Emprego e Renda; e IV – Educação Ambiental.