Show reunirá cancioneiros de Corumbá, uma homenagem aos 235 anos

A reunião daquilo que Corumbá produziu na época dos grandes festivais da canção e vem produzindo com nomes que estão traçando trajetória de sucesso longe da Cidade Branca, dará o tom da grande homenagem ao município que completa, neste 21 de setembro, 235 anos de fundação.

 

O show “Recordar é Viver” colocará num mesmo palco os mais expressivos intérpretes e compositores da legítima música corumbaense. Apresentar a cidade o que veio dela, seja como inspiração para canções ou como a excelência no uso vocal e dos instrumentos, é que dará o tom do show que promete marcar época.

 

“Será um show 100% nacional”, diz a diretora-presidente da Fundação de Cultura de Corumbá, Márcia Rolon ao afirmar o que pode soar estranho para os mais jovens, mas é perfeitamente compreendido por gerações anteriores.

 

“Reunimos novamente o grupo Terra Branca que levou o nome de Corumbá para o Brasil, inclusive se apresentando em programas televisivos. Compositores e intérpretes que venceram várias edições de festivais da canção no estado e na região e também artistas como a Paula Mirhan, por exemplo, que já chegou a apresentar seu trabalho em Paris e outros países da Europa”, comentou.

 

Os intérpretes serão acompanhados pela Banda MJ-6 que contará com a participação especial de Xandão do Cavaco. O MJ-6 é a banda corumbaense com mais tempo em atividade: são 44 anos se apresentando para um público fiel que se formou no final da década de 60 nos antigos bailes.

 

Repertório

 

A apresentação será aberta por Tadeu Atagiba que interpretará as canções “Pescador”, cujo compositor é Sandro Nemer; “Teu Retrato” e “ “Razão de Viver”, de Islândio de Jesus; “Rosa”, com assinatura de Edgar Suruco; “Coisas do Pantanal”, composta por  Bosco Delvízio e Fernando de Barros; e “Caminho Eu”, de José Eloy.

 

Com sua voz inconfundível e interpretação vibrante, a poetisa e cantora Marluci Brasil colocará toda a emoção em músicas emblemáticas sobre Corumbá. “Lenda Bororó”, de Silva Neto e Pedro Medeiros, lembra o poema que é referência literária quando se pensa em um texto que fala sobre a cidade. Dizem seus primeiros versos: “Deus atirou no espaço um punhado de estrelas/Uma chegou à terra. Outras tardam ainda./A que desceu, por certo a mais luzente delas/Veio e se transformou numa cidade linda”.

 

Marluci ainda interpretará “Viver em Corumbá”, de Luiz Rojas; e “Cantiga de Amor a Corumbá”, uma parceria de Silva Neto e Clio Proença. Esta canção é considerada uma espécie de segundo hino de Corumbá e seu refrão diz: “Cidade Branca é Corumbá/ Melhor não há nem cá, nem lá”. Na voz de Marluci também surgirá “Nossa Senhora do Pantanal”, uma canção de louvor que reforça a religiosidade do povo pantaneiro, composta por Sandro Nemer.

 

Uma das vozes femininas mais lembradas de Corumbá, Norma Atagiba cantará “Estado Criança”, do compositor Islândio de Jesus, porém sua arte também virá marcada com a composição da canção “O Pródigo”, que será interpretada por Nelson Mirhan.

 

Com grande destaque no cenário musical da década de 80, o grupo Terra Branca voltou a se reunir para a apresentação especial. As canções do repertório são: “Canção do Boiadeiro”, de Sandro Nemer e “Pôr do Sol”, “Apenas sou gente” e “Voo da Juryti”, de Hélio Ferreira.

 

Destacando duas canções de Luiz Rojas, “Nego Velho” e “ Sina do Vaqueiro”, a cantora Lucinha Philbois também está escalada para participar da homenagem à cidade.

 

Participações Especiais

 

Com uma carreira que vem num crescente após o lançamento de seu primeiro CD autoral, Caio Lima, filho do renomado compositor Islândio de Jesus, fará uma apresentação que misturará músicas emblemáticas do cancioneiro corumbaense e composições do seu recente trabalho. Caio dividirá com Simone Carvalho, a interpretação de “Fantasia”, cuja composição traz a parceria de Islândio de Jesus e Hélio Ferreira. Ele ainda cantará a famosa “Cheiro da Terra” e “Cavalo Vento”, ambas de Islândio de Jesus, além de “Ciranda Pantaneira”, que ficou conhecida com o Grupo Acaba.

 

“Me senti honrado, pois quem ganhará esse presente sou eu, voltando às raízes pantaneiras, as quais nunca perdi, divulgando sempre a nossa cultura para o Brasil e para o mundo. Ao mesmo tempo, a responsabilidade pesa, pois temos músicos de qualidade excepcional, na data mais especial, aniversário da minha cidade. Darei o melhor de mim para quem espera um grande show”, disse Caio que tem a apresentação de Corumbá produzida por André Neiva, produtor e baixista do cantor Jorge Vercillo.

 

Assim como Caio, a atriz e cantora Paula Mirhan se envolveu com o mundo da música ainda muito cedo. De uma família onde se destacam compositores e intérpretes, ela brilhou ao lado da irmã Fernanda e da prima Lara nos festivais estudantis da canção da década de 90.

 

A corumbaense que adotou o estado de São Paulo para estudar e morar, constantemente visita Corumbá onde revê os velhos amigos. Em 2008, após 7 anos morando em São Paulo, Paula se apresentou novamente em Corumbá durante o 5º Festival América do Sul.

 

O show “Recordar é Viver” acontece no dia 21 de setembro, a partir das 21 horas, na Praça Generoso Ponce, após o desfile cívico-militar.