B-Boy Bolinha vence o campeonato de B-boys e derrota o preconceito

A edição especial do projeto Juventude na Praça foi realmente especial! Sobretudo porque teve um personagem especial, que foi o centro das atenções no campeonato B-boys, surpreendendo e conquistando as mais de 3 mil pessoas que lotaram a Concha Acústica do Porto Geral na noite do último sábado.


Marcos Gonzaga – mais conhecido no meio Hip-Hop como “B-boy Bolinha” não dá bola ao que poderíamos chamar de ‘estética B-boy’. Seria eliminado na primeira fase de qualquer competição à partir de um olhar precipitado e preconceituoso daqueles que pensam que para dançar em alto nível essa dança acrobática e cheia de suingue, é fundamental ser magro e esguio.

 

Com seus 15 anos e 95 quilos e uma boa dose de marra, simpatia e suingue, o adolescente, do bairro Nossa Senhora de Fátima, conquistou a galera logo em sua primeira apresentação e foi eliminando, um a um, todos os 16 magros e ágeis oponentes (alguns de Campo Grande), vencendo as seletivas e chegando à grande final justamente contra o seu irmão mais velho, Victor Gonzaga, o B-boy Big.

 

Ao som do hip-hop e do electro potente da pick-up do DJ Ben-Jay, o B-boy Bolinha venceu o último desafio e sagrou-se  campeão do I Campeonato de B-Boys de Corumbá, para o delírio de todo o público presente.  Mas isso, para ele, não foi o mais importante. “O que eu gostei mesmo foi de ter vencido o preconceito, pois o pessoal leva os B-boys muito pela aparência e pela estética. Fico feliz em ser um exemplo de superação aos jovens e de que nunca se deve dizer nunca”, afirma.

 

Apesar de derrotado na final, Victor também não segurou a emoção de ver o irmão se tornando campeão. Afinal de contas, ele foi a maior inspiração de Marcos no Hip-Hop pois dança desde os 8, quando seu irmão ainda estava nas fraldas, e lembrou de quanto o caçula sofreu para chegar até ali. “Ele sempre foi muito ‘zuado’ na escola e até mesmo no meio dos B-boys, sofria bulling, discriminação, mas nunca desistiu”, disse.

 

Até mesmo o DJ Ben-Jay, vindo diretamente de Campo Grande para conduzir o suingue e as peripércias acrobáticas dos B-boys com o electro de sua pick-up, confessou-se impressionado. “Eu conhecia o (B-boy) Bolinha apenas pelo Facebook, não dava muita moral pois ele tinha esse fator limitante, que é o peso. Mas ele provou que com carisma, técnica e muito treino tudo é possível. Ele está de parabéns”, disse o conceituado DJ da Capital.

 

Os irmãos B-boys levaram para casa um tablet e um aparelho celular de prêmio pela primeira e segunda colocação e, principalmente, o respeito e a admiração do público presente e do prefeito Paulo Duarte. “Muito legal ver os dois irmãos numa final, o (B-boy) Bolinha dando esse exemplo de superação para nossa juventude, isso com certeza inspira a todos nós”, disse o prefeito.

 

O evento, realização da prefeitura por meio da Gerência de Ações para a Juventude, ligada à Secretaria de Assistência Social e Cidadania, foi apenas o primeiro de uma agenda que promete tirar definitivamente a cultura da rua da marginalidade em Corumbá. “A prefeitura está legitimando essas formas de expressão artísticas do jovem da nossa cidade. Nas outras edições do Juventude na Praça já fizemos desde roda de capoeira até apresentações de skate, RAP e Hip-Hop. O próximo evento, em outubro, será a vez do Gospel”, antecipou o gerente de Políticas para a Juventude, Victor Raphael de Almeida.

 

O evento também contou com a apresentação de dança de rua do grupo de alunos da Oficina de Dança, projeto da Fundação de Cultura, da prefeitura de Corumbá. 

 

Além do prefeito Paulo Duarte e da Primeira-Dama e diretora-presidente da FUPHAN, Maria Clara Scardini, também prestigiaram o Campeonato de B-boys o secretário de Governo, Hélio de Lima; e a secretária e o subsecretário de Assistência Social e Cidadania, Andréa Cabral Ulle e Nilo Corrêa.