Prefeitura trabalha para não faltar mais remédios na rede de saúde

Insatisfeito com a falta de medicamentos que afetou a rede municipal de saúde, o prefeito Paulo Duarte convocou uma reunião com os representantes dos diversos setores que compõem o processo de gestão de medicamentos, da execução, compras e financeiro ao almoxarifado, farmacêutica, informática e operacional.

 

Egresso do setor público, o prefeito disse conhecer a realidade burocrática das licitações, que muitas vezes compromete a agilidade do processo de compra e entrega dos medicamentos, principalmente em transições de governo, mas propôs alguns pontos de melhoria e exigiu soluções. 

 

“É preciso haver mais diálogo entre todos os setores aqui representados, mais agilidade e pró-atividade operacional desde o início do processo de compra até a entrega do medicamento no posto de saúde ao cidadão”, disse ele aos gestores na sala de reunião de seu gabinete, nesta quinta-feira, 18. “Já estamos com 6 meses de governo e agora não há justificativa: não vou admitir que ocorra mais falta de medicamentos na rede”, afirmou.

 

O prefeito reafirmou também a necessidade de tirar do circuito as empresas, fornecedores e transportadoras que não cumprirem os acordos e cláusulas contratuais. “Aquilo que é da nossa atribuição não podemos falhar, mas se os fornecedores e prestadores de serviço não cumprirem sua parte, buscaremos as ferramentas jurídicas necessárias para garantir nossos direitos e contrataremos outros que estabeleçam uma relação de parceria correta com a administração”.

 

Mudanças

 

Ciente do desafio, a equipe de administração e logística de medicamentos informou que agora trabalha com um processo de gestão de logística mais dinâmico, ágil e pró-ativo, com pedidos realizados de três em três meses (não mais anual, como era anteriormente), em menor volume e maior variedade de itens para que não mais faltem os medicamentos e suprimentos básicos na rede municipal de saúde.

 

Após conclusão de processo licitatório, desde a semana passada começaram a chegar em Corumbá os medicamentos essenciais que abastecerão as 22 unidades (18 UBS, unidades de especialização, hemonúcleo, farmácia municipal e Pronto Socorro) da rede municipal de saúde. Ao todo foram entregues cerca de 66 itens, entre analgésicos, antimicrobianos, anti-hipertensivos e remédios controlados. “Até meados de agosto, todos os medicamentos da lista de medicamentos essenciais serão entregues para serem disponibilizados aos usuários da rede”, antecipou a secretária de Saúde de Corumbá, Dinaci Ranzi.