Órgão federal apresenta mapeamento técnico das áreas de risco em Corumbá

Pelo menos 400 residências estão localizadas em áreas com risco de deslizamento ou enchente em Corumbá. A maior parte está concentrada nos bairros Beira Rio, Cervejaria e na Cacimba da Saúde. Borrowiski, Arthur Marinho e Generoso também possuem alguns imóveis na lista, que caracteriza cada caso de acordo com o grau de risco em cada região.

O levantamento foi feito pela Companhia de Pesquisa e Recursos Minerais (CPRM), órgão vinculado ao Ministério das Minas e Energia, e apresentado nesta segunda-feira (29) ao prefeito Paulo Duarte e a diretora-presidente da Fundação de Desenvolvimento Urbano e do Patrimônio Histórico de Corumbá, Maria Clara Scardini.

Com apoio da Defesa Civil, dois profissionais da CPRM realizaram um trabalho detalhado e exclusivamente técnico, focado principalmente na estrutura geológica, no movimento de massa, enchentes e no relevo das áreas de encostas. O diagnóstico também será apresentado ao Governo Federal, que coordena o Programa Nacional de Gestão de Risco e Resposta a Desastres.

 “Esse mapeamento das áreas de riscos é um instrumento fundamental para a Prefeitura. Com base nesses estudos técnicos, podemos buscar soluções para esses problemas”, afirmou Paulo Duarte, garantindo a participação efetiva da comunidade em todo esse processo. “Vamos ouvir todos moradores dessas áreas e, juntos, procurar as alternativas mais viáveis”, completou.

Boa parte da região abrangida pelo estudo da CPRM também integra o Projeto Orla, que trabalha em um plano de gestão integrada para a orla corumbaense, desde o Parque Marina Gattass até o Hotel Gold Fish, na divisa com Ladário. “Esse estudo nos dá um norte ainda mais preciso para as ações que precisamos desenvolver ali”, comentou Maria Clara, coordenadora do projeto.

Segundo o chefe de ações da Defesa Civil Municipal, Isaque do Nascimento, o mapeamento é um grande avanço na estratégia de prevenção de desastres. “O conteúdo desse trabalho complementa nosso serviço, pois permite aprofundarmos o conhecimento dos riscos que circundam as nossas áreas sensíveis, nos remete a intensificar o monitoramento e fiscalização dessas áreas”, afirmou.

O Mapeamento das Áreas de Riscos de Corumbá ainda possibilita ao Executivo Municipal elaborar projetos e buscar, junto ao Governo Federal, a construção de sistemas de contenção de encostas, retaludamento, muro de arrimo, barreiras vegetais, obras de drenagem e até mesmo construção de unidades habitacionais para realocação de famílias de baixa renda que vivem nessas áreas de risco de desastres.