Tradição, alegria e devoção marcam Banho de São João em Corumbá

Durante a última noite da festa de São João, aconteceu uma transfiguração simbólica em Corumbá e o Rio Paraguai se transformou em Rio Jordão. Foi lá onde, cerca de mais de 2 mil anos atrás, São João Batista batizou Jesus Cristo e foi por ele batizado, como cantam os cururueiros no tradicional  Siriri (“São João batiza o Cristo, Cristo o João. Ambos foram batizados lá no Rio Jordão”).

 

Em um gesto de gratidão, uma multidão de devotos cantou, dançou e acompanhou os andores do Santo, considerado pela igreja católica o ‘precursor do Cristo’, descendo alegremente a Ladeira Cunha e Cruz em direção à prainha para banhar São João nas águas do Paraguai, para todos tão sagradas como as do Jordão. “Sou devota fervorosa de São João e o banho é a forma mais bonita de agradecê-lo por tudo e rogar sua graça na minha vida e da minha família”, diz a senhora Antônia Constantina da Silva, corumbaense que há mais de 15 anos faz questão de cumprir o ritual anual de aspersão na imagem de São João, santo da saúde e da proteção.

 

O Santo ficou consagrado também como casamenteiro, por atender pedidos de amor aos que passam sete vezes por debaixo do seu andor. Pelo menos é o que reza a tradição em Corumbá. O andor oficial da prefeitura, que saiu às 23h15 deste domingo, 23, da casa de Cultura Luiz Albuquerque (ILA) sentido Prainha, foi o mais disputado por homens e mulheres de todas as idades, pouco importando se solteiros ou casados, a única regra era se divertir e receber a benção de São João. Tudo ao som alegre e contagiante da cantiga ‘Viva São João’, interpretada pela Banda Manoel Florêncio numa procissão em que o sagrado, o profano e o popular se unem em uma harmoniosa simbiose.

 

À frente do andor oficial, os velhos cururueiros, com suas violas de cocho, ganzás e roupas típicas, comandavam a procissão. Após o banho, é hora de seguir para a cerimônia de coroação e içamento do mastro e da bandeira de São João, considerado por muitos o rito mais importante de todo o festejo. O Santo no topo representa proteção e saúde sobre Corumbá. Em sinal de gratidão, os cururueiros formam uma roda de cururu em torno do mastro e, com suas violas de cocho e ganzás, pedem a graça de São João.

 

Show

 

O erguimento do mastro encerrou as festividades culturais e religiosas do São João de Corumbá. Em seguida houve queima de fogos e um grande show da banda Bloco Brasil que, com seus tambores, caixas e tamborins, fez toda a plateia do Porto Geral dançar ao som de samba-rock, funk, música nordestina, samba e drum in bass.

 

Um encerramento inesquecível para mais um São João inesquecível em Corumbá.