Prefeitura e FUNDTUR/Pantanal fortalecem parceria turística com o Exército

Cerca de 30 militares do 17º Batalhão de Fronteira (BFRON) de Corumbá estiveram na tarde desta terça-feira, 18, no Centro de Convenções do Pantanal Miguel Gómez em uma reunião promovida pela Fundação de Turismo do Pantanal (FUNDTUR/Pantanal), o chamado “encontro de sensibilização”, já realizado com os garis, agentes de trânsito, ambulantes e bombeiros.

 

O objetivo desse encontro é o de estreitar os laços entre os parceiros de toda a cadeia turística de Corumbá e a FUNDTUR/Pantanal. “O Forte Junqueira, um dos cartões postais da nossa cidade, é aberto para a visitação do público e fica na área do 17º BFRON, onde esses militares atendem a população com informações históricas e turísticas”, disse o secretário executivo da FUNDTUR/Pantanal, Luiz Ricardo Julião Rocha. “É importante que eles nos vejam como parceiros e conheçam toda a estrutura e serviços que oferecemos no centro de atendimento ao turista localizado aqui no Centro de Convenções”, acrescentou.

 

De acordo com o sargento Denilson Leite Porfirio, do 17º BFRON, o saldo do encontro foi extremamente positivo. “Serviu para fortalecermos o trabalho de parceria que o Exército já realiza com a prefeitura, principalmente no que tange ao setor turístico, no qual Corumbá possui um grande potencial”, disse. 

 

Juntamente com a equipe da Fundação, o secretário executivo apresentou um vídeo institucional com os principais atrativos turísticos de Corumbá, a história da cidade, os tradicionais eventos, como o Carnaval Cultural, o Banho de São João e o Festival América do Sul, os pontos de visitação e de acomodação mais procurados pelos turistas, e até um vídeo com a participação de Corumbá no Dança da Galera, o quadro do programa Domingão do Faustão.

 

A próxima reunião de sensibilização será realizada nesta quarta-feira, 19, com agentes da Polícia Civil. No dia 20 é a vez da Marinha. “Esse trabalho de sensibilização e integração com nossos parceiros no turismo é algo permanente, que faremos ao longo do ano. Depois, em um segundo momento, envolveremos as escolas, alunos, professores, enfim, toda a sociedade civil”, antecipou Luiz Julião.