IPHAN reforça esperança de registro de São João como patrimônio imaterial

Não é novidade o esforço que a administração municipal, por meio da agora Fundação de Cultura de Corumbá, empreendeu para ver em 2010 o São João de Corumbá se tornar patrimônio cultural imaterial sul-mato-grossense. A próxima etapa é conquistar o registro de bens culturais de natureza imaterial do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), o que representaria um reconhecimento federal.

 

Neste ano, Corumbá deu um importante passo nesse sentido, com a visita de Ieda Barbosa, representante do departamento do Patrimônio Imaterial do IPHAN, à nossa festa de São João. “Achei tudo fantástico, elucidou muita coisa e tirou uma série de dúvidas que eu tinha em relação à sequência do rito da festa, que é muito linda!”, elogiou ela, que fez todo o roteiro dos festejos, passando pela casa de alguns festeiros, acompanhando a saída do andor oficial da Casa de Cultura Luís de Albuquerque (ILA), a descida pela ladeira Cunha e Cruz, o banho do Santo e o coroamento e erguimento do mastro de São João.

 

“Minha visita aqui é importante, mas quem decide pela pertinência do pedido feito por Corumbá é a Câmara Setorial do Conselho de Patrimônio Cultural do IPHAN. Meu papel é tirar qualquer eventual dúvida que possa haver no processo e agora tenho mais elementos para isso”, explicou.

 

Se o tradicional arraial de Corumbá conquistar esse reconhecimento federal, será o primeiro e único São João do Brasil a ostentar o título do IPHAN de patrimônio cultural imaterial.

 

O registro de bens culturais de natureza imaterial do IPHAN é um instrumento legal de reconhecimento e busca a valorização desses bens que não são palpáveis, concretos, como uma festa. São registrados saberes e celebrações, rituais e formas de expressão e os espaços onde essas práticas se desenvolvem.