Corumbá assume protagonismo na criação da rota cultural pantaneira

A cultura é o eixo em torno do qual o turismo, o patrimônio histórico e a economia se desenvolverão no Pantanal. Foi com essa afirmação que a diretora-presidente da Fundação de Cultura do Pantanal, Márcia Rolon, abriu a I Conferência Intermunicipal de Cultura nesta sexta-feira, 21, no Centro de Convenções do Pantanal Miguel Gómez.

 

Para ela, o evento é histórico pois representa o primeiro passo para a realização de um antigo sonho na região, a criação de uma rota cultural do Pantanal entre os municípios de Corumbá, Ladário, Miranda, Aquidauana, Rio Verde e Anastácio. “É a cultura que irá sistematizar e organizar essa rota, porém, antes de mais nada, temos de ter um produto cultural pantaneiro em comum, sólido e de conteúdo, mas que respeite as especificidades de cada município”, disse a vice-prefeita a uma plateia com representantes do Poder Público e da sociedade civil de todas as seis cidades. 

 

O prefeito Paulo Duarte saudou todas as delegações presentes e destacou a importância da realização da Conferência de Cultura no contexto atual dos protestos e do espírito cívico que vem tomando conta de todo o País. “No momento em que o Brasil clama por mais participação popular, é importante que conferências como esta garantam essa participação, com uma política de Estado municipalizada e integrada. Não queremos disputar com ninguém, queremos integrar, pois juntos somos mais fortes e criativos”, disse.

 

Para o chefe do Executivo, a cultura tem o poder de contribuir até mesmo com questões consideradas insolúveis, como a invariável confusão que se faz com as nomenclaturas de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. “As pessoas reclamam muito dessa troca, mas ignoram o fato de que a cultura é a melhor maneira de se resolver a situação, até porque a confusão não está na denominação, mas no aspecto cultural, que é aquilo que nos define e nos diferencia um do outro”, acrescentou.

 

Com o tema “Uma Política de Estado para a Cultura: Desafios do Sistema Nacional de Cultura”, as discussões estão divididas em quatro subtemas: implementação do Sistema Nacional de Cultura; Cidadania e Direitos Culturais; Produção Simbólica e Diversidade Cultura; e Cultura e Desenvolvimento e serão debatidas por gestores, especialistas e agentes culturais neste sábado, 22, no Centro de Convenções do Pantanal Miguel Gómez.

 

Discutidas e definidas as propostas, elas serão encaminhadas para as esferas estadual e federal por um grupo de representantes, também definido na conferência.

 

Mas, para Márcia Rolon, o mais importante nesse processo todo é a união entre Corumbá, Ladário, Miranda, Aquidauana, Rio Verde e Anastácio.  “Nunca mais podemos deixar de olhar nos olhos. Eu só existo se você me olha e no momento que você me olha, eu passo a existir. É assim que tem de ser a relação entre todos nós da rota cultural pantaneira”, acrescentou.