Turismo de fronteira mostra força e anuncia ações concretas após Festival

O 10º Festival América do Sul foi inesquecível não só para a integração cultural dos países da região, mas marcará também o início de uma histórica integração entre o trade turístico de Corumbá e das cidades fronteiriças da Bolívia.

 

É que durante o Festival, entre os dias 3 e 5, a prefeitura de Corumbá, por meio da Fundação de Turismo do Pantanal (FUNDTUR/Pantanal), realizou o Encontro de Turismo de Fronteira visando fortalecer a integração entre empresários e governos, fomentar novos negócios e melhorar o atendimento ao turista na região de fronteira.

 

O mais importante é que, à partir dessas reuniões, três grandes ações foram definidas: a criação de um Consórcio Binacional de Turismo de Fronteira Brasil-Bolívia, envolvendo principalmente as cidades de Corumbá, Puerto Suárez e Puerto Quijarro. “Agendamos uma nova reunião no próximo dia 13 para tratar desse assunto com a Fundação Trabalho e Empresa, uma ONG boliviana que fará a intermediação com empresários e o governo local”, revela com otimismo a diretora-presidente da FUNDTUR/Pantanal, Hélènemarie Dias Fernandes.

 

De acordo com Hélènemarie, a segunda ação está diretamente relacionada a um desafio crônico do turismo, de maneira geral: a falta de números, dados, estatísticas e informações que sustentem a captação de verbas e o desenvolvimento de políticas públicas no setor. “Em parceria com a Fecomercio iremos realizar uma grande pesquisa sobre a percepção dos turistas sobre a hospitalidade e segurança na fronteira Brasil/Bolívia, o que é mito ou faz parte do imaginário coletivo”, explicou.

 

Com base nessa ação e a partir de dados cientificamente comprovados, será promovida uma grande campanha de valorização do turismo de fronteira Brasil/Bolívia, valorizando ainda mais esse portão de entrada de Corumbá e das cidades bolivianas fronteiriças.

 

Outra importante iniciativa, também fruto de um consenso entre os integrantes do trade turístico nas reuniões, é a confecção de uma cartilha informativa com orientações para o turista de fronteira. “O Sebrae e a Fecomercio/MS inclusive já sinalizaram com a intenção de patrocinar a concepção e impressão dessa cartilha trilíngue (português, espanhol e inglês)”, destacou.

 

A cartilha promete ser o vade mecum (vai comigo, em latim) do turista de fronteira, com todas as informações úteis e fundamentais a quem deseja conhecer Corumbá e a região que faz fronteira internacional com a Capital do Pantanal. Tudo estará ali: hotéis, rodoviárias, restaurantes, praças, passeios, aduanas, contatos e dados sobre esses e outros equipamentos públicos e privados da região fronteiriça.

 

Para Hélènemarie, o balanço do Encontro de Turismo de Fronteira, que ocorreu propositalmente durante o 10º Festival América do Sul, foi altamente positivo. “Seguimos a orientação da administração municipal e cumprimos nosso papel de fomentar novos negócios, discutir e encaminhar ações em prol do turismo de fronteira”, disse.

 

Encontros

 

As ações propostas não ocorreram da noite para o dia, muito pelo contrário. Uma série de encontros gerais e pontuais foram promovidos no Centro de Convenções Miguel Gómez, em Corumbá, para se alcançar tais objetivos.

 

Já na primeira reunião, um sucesso de público: 80 empresários de Corumbá, Bonito, Miranda, Aquidauana, Santa Cruz de La Sierra, Puerto Suárez, San Jose de Chiquitos, Robore, Samaipata, além de vereadores e diretores de secretarias de turismo dessas cidades.

 

Durante a série de encontros foi apresentado também o case de sucesso de Foz do Iguaçu, cidade que, a exemplo de Corumbá, também é de tríplice fronteira e que encontrou boas soluções para capitalizar sua localização geográfica para o turismo.

 

No encontro de negócios, uma espécie de rodada de negociações e de novas oportunidades, 54 empresas de todo o trade turístico fronteiriço estiveram representadas, desde locadoras de veículos, hotéis e restaurantes a empresas de passeio, de transporte e afins.

 

Também foi realizado um tour com os gestores e profissionais do turismo nos principais equipamentos e ambientes urbanos e rurais de Corumbá, como a Estrada Park, Cristo Redentor, Rio Paraguai, museus, praças etc. “É importante que nossos companheiros bolivianos conheçam bem nossos pontos turísticos para poder ‘vendê-los’ bem”, explicou Hélènemarie.

 

Por fim, representantes do trade turístico boliviano apresentaram os destinos locais em um workshop que contou com a presença de 34 profissionais e gestores do setor.

 

Estiveram presentes nesses encontros representantes da Fecomercio, Sebrae, CNC, Fundação de Turismo do Estado do Mato Grosso do Sul, CAINCO (uma espécie de Fecomercio boliviana), Fundação Trabalho e Empresa (Bolívia), além de vereadores, diretores de secretarias de turismo e de diversos outros setores do trade turístico de Santa Cruz de la Sierra, Puerto Suárez, Puerto Quijarro, San Jose de Chiquitos, Robore, Samaipata, Campo Grande, Bonito, Miranda e Aquidauana.