Saúde, Educação e Assistência reforçam parcerias no combate à dengue

A Prefeitura de Corumbá tem trabalhado com um diferencial este ano: a consolidação entre as secretarias municipais promovendo o crescimento da cidade e o fortalecimento da sociedade.  Com base nisso, na tarde de sexta-feira, 10, uma atividade que envolveu Assistência Social e Cidadania, Saúde e Educação, permitiu reforçar ações de prevenção e combate à dengue de forma educativa, com 50 alunas da Escola Municipal Fernando de Barros.

 

“Nós vamos sempre fazer este link com todos os órgãos da Prefeitura, de forma que a gente promova a saúde e aprenda a cuidar dela todos os dias”, explicou a secretaria de Saúde Dinaci Ranzi destacando que com uma atuação conjunta e unificada a população é a principal beneficiada. “Unidos, vamos construir uma cidade linda, saudável e amada por todos. Esse é o nosso desafio”, declarou.

 

A gerente de Articulação de Políticas Pública para Mulheres, Cristiane Sant’Anna, explicou sobre a ação. “Nós acompanhamos o Levantamento de Índice Rápido do Aedes aegypti (LIRAa) nos bairros, e até o final do ano, vamos realizar 21 encontros  levando o projeto para toda a comunidade.  Queremos realizar um trabalho permanente”, reforçou Cristiane.

 

Dengue

 

O levantamento de Índice Rápido do Aedes aegypti (LIRAa), terceiro ciclo, realizado nos dias 29 e 30 de abril, e 02 de maio, detectou uma incidência de 3,4% na área urbana da cidade, abaixo dos dois primeiros ciclos, que apresentaram 9,5% e 5,5% , respectivamente.

 

O trabalho foi realizado pelos agentes de endemias do CCZ. O Bairro Cristo Redentor foi o que apresentou maior incidência de infestação com 9,1%, seguida da Nova Corumbá com 6,9; Guarany e Centro América com 6,7; Arthur Marinho com 5,3; Popular Velha  e Popular Nova com 4,9; Guatós com 4,8; Jardim dos Estados com 3,3; Beira Rio e Aeroporto com 2,6; Nossa Senhora de Fátima com 2,1; Maria Leite com 1,8, e Centro 1 (da Edu Rocha até Antônio Maria Coelho) com 1,4.

 

Todas estas localidades estão com incidência acima do aceitável pelo Ministério da Saúde que é de até 1,0%. Os demais bairros estão abaixo. O Centro 2 (da Antonio Maria Coelho até a Albuquerque), por exemplo, está com 0,7. Os demais, Universitário, Previsul, Industrial, Generoso, Dom Bosco e Cervejaria, não apresentaram focos do mosquito.