Prefeitura fortalece sistema de classificação de risco no Pronto Socorro

Uma das principais missões da administração municipal é melhorar a qualidade do atendimento público no Pronto Socorro e em toda a rede municipal de saúde. Para isso, por meio da Secretaria da Saúde, está implantando alguns programas e fortalecendo outros já existentes, como o sistema de classificação de risco.

 

Lançado em meados do ano passado no Pronto Socorro Municipal, o programa de classificação de risco é reconhecido internacionalmente pelas melhores práticas de saúde e tem o objetivo de estabelecer critérios eminentemente clínicos para determinar em que ordem o paciente deve ser atendido. “Trata-se de um modelo clínico mundial que diminui consideravelmente o risco de morte nas unidades de pronto-atendimento”, resume o médico Rogério Takaki Bento, coordenador do Pronto Socorro Municipal.

 

O sistema utiliza para isso a atribuição de cores. As cores vermelha e amarela, respectivamente, serão direcionadas aos pacientes de urgência e emergência atendidos no Pronto Socorro de Corumbá. “A unidade atende cerca de 250 pacientes diariamente e somente entre 10% e 15% desses são casos que envolvem risco de morte e outros com alto potencial de risco, agravos à saúde ou grau de sofrimento”, explica o coordenador médico. “Eles serão classificados pelas cores vermelha e amarela e terão preferência no atendimento do Pronto Socorro, aumentando a agilidade e segurança nos serviços de alta complexidade”.

 

Os outros casos, de menor urgência, serão classificados como verde e azul e, portanto, encaminhados e atendidos preferencialmente pelas 19 equipes de saúde básica mais próximas da residência do paciente.

 

Essa triagem clínica e atribuição das quatro cores serão realizadas pelos enfermeiros com treinamento específico.

 

Divulgação

 

Segundo a secretária de Saúde, Dinaci Ranzi, apesar de já existir desde agosto de 2012 o programa de classificação de risco passa a ser mais divulgado e fortalecido nesta gestão. “Boa parte da população não sabe que esse programa existe há cerca de 6 meses, por isso vamos promovê-lo na mídia, vídeos, banners e levar ao conhecimento de todos, além de manter os profissionais de saúde preparados por meio de treinamentos periódicos”, revelou.

 

Dinaci adiantou também que serão confeccionadas pulseiras nas quatro cores de classificação para serem colocadas nos pacientes. “É preciso dar prioridade a quem mais necessita de atendimento e isso vai ficar visível para garantir transparência e agilidade ao processo”, acrescenta.

 

Mais médicos

 

A secretária de Saúde aproveitou a ocasião para destacar que nove novos médicos foram contratados pela prefeitura e ainda neste trimestre se somarão à equipe de Saúde da Família. “Temos atualmente 19 equipes de saúde da família, com médicos, dentistas, enfermeiros, técnicos e agentes comunitários e um total de mais de 35 estruturas físicas, que compreendem desde o pronto socorro e unidades de atendimento até o centro de especialidades, farmácias, almoxarifado, centro de atenção psicossocial, entre outras”, diz.

 

Projeto Cuidar

 

O fortalecimento do programa de classificação de riscos no Pronto Socorro Municipal está totalmente alinhado com a diretriz da administração municipal de humanizar o atendimento médico à população, uma vez que confere mais agilidade e segurança àqueles que mais precisam.

 

Para ampliar a humanização no atendimento, a prefeitura, por meio da Secretaria de Saúde, está lançando o Projeto Cuidar. Alinhado com a Política Nacional de Humanização (HumanizaSUS), o projeto deve ser anunciado oficialmente em abril e tem o objetivo de acolher o usuário já na porta de entrada dos postos de atendimento e demais unidades de saúde afim de acolhê-lo em suas necessidades. “Nosso slogan é cuidar bem da cidade e das pessoas e o Projeto Cuidar é isso, atendê-las em seu momento mais vulnerável e difícil”, disse o prefeito Paulo Duarte.

 

O projeto Cuidar irá capacitar funcionários, estagiários e também os agentes de saúde a uma correta abordagem aos usuários da rede municipal antes mesmo do atendimento médico, nas filas, nas salas de espera.