Prefeito determina análise da água despejada por galerias pluviais

A limpeza realizada pela Prefeitura no Porto Geral de Corumbá revelou um grave problema enfrentado na cidade: a ligação clandestina de esgotos na rede pluvial. “Juntamente com o Governo Federal, o Governo do Estado e a Sanesul, estamos trabalhando para que a cidade chegue aos 100% de captação de rede de esgoto. Por isso situações como estas são inaceitáveis”, afirmou o prefeito Paulo Duarte ao vistoriar o local nesta quarta-feira (24).

O prefeito determinou à Fundação de Meio Ambiente do Pantanal uma análise rigorosa da água despejada diretamente no Rio Paraguai. “Queremos que isso seja feito com urgência. Se for detectada a presença de poluentes vamos recorrer às demais autoridades responsáveis para que essas ligações clandestinas sejam identificadas e punidas ao rigor da Lei Ambiental”, continuou Paulo Duarte.

As galerias pluviais, explicou o secretário municipal de Infraestrutura, Habitação e Serviços Públicos, Luiz Mário Preza Romão, foram todas construídas exclusivamente para captar as águas das chuvas e levá-las ao rio, evitando assim enchentes e alagamentos em diversos pontos da cidade. “É totalmente proibido fazer qualquer outro tipo de uso dessa rede”, reforçou.

Esgoto

O prefeito Paulo Duarte e o governador André Puccinelli assinaram no mês passado a ordem de serviço para as obras de tratamento de água e captação de esgoto sanitário em 85% dos imóveis localizados na área urbana de Corumbá. O investimento é de R$ 37 milhões. O empreendimento abrange a construção de reservatórios de 3.500 m3 e 1.500 m3, adutoras, elevatórias, execução de 27.399 metros de rede de distribuição de água e 1.212 ligações domiciliares de água.

Para o sistema de coleta e tratamento de esgoto, serão investidos R$ 17,7 milhões, na implantação de 61.894 metros de rede coletora de esgoto e de 3.048 ligações domiciliares de esgoto. Nesses valores já estão incluídos os materiais. Os recursos são oriundos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC II), com contrapartida do Estado. Desde 2007, a Sanesul investiu mais de R$ 131,1 milhões de recursos federais, estaduais e próprios na rede de esgoto da cidade.