Autoridades brasileiras e bolivianas voltam a debater segurança fronteiriça

A segurança na faixa de fronteira entre o Brasil e a Bolívia voltou a ser debatida nesta terça-feira (16) em Corumbá. Autoridades dos dois países passaram a manhã planejando e traçando ações conjuntas para combater os principais problemas existentes na região. “Um desses temas foi o roubo de veículos”, revelou o coordenador de Segurança Pública de Corumbá, Fernando Lucena.

Uma das propostas apresentada durante a reunião foi a criação de postos fixos de fiscalização no trecho que liga Puerto Quijarro a Puerto Suarez, já no território boliviano. Antes, entre Corumbá e Quijarro, bases móveis fariam a vistoria dos automóveis que passam pelo local diariamente. Uma investigação mais criteriosa sobre os brasileiros residentes no lado boliviano também foi proposta.

O objetivo é evitar que integrantes de facções criminosas utilizem a região como base de operações. As Forças de Segurança do Brasil solicitaram ainda acesso ao cadastro de placas automobilísticas do país vizinho. Isso facilitaria a fiscalização sobre os carros e condutores que circulam pela cidade.

Ainda durante o encontro, representantes da Polícia Federal alertaram sobre a falsificação dos documentos que permitem a entrada de cidadãos bolivianos para trabalhar no Brasil. Os agentes pediram para que uma campanha nacional seja feita para alertar as pessoas sobre os riscos e as punições para quem comete esse crime.

“Um novo encontro será realizado em maio, quando também participarão representantes do Governo Federal Boliviano”, completou Lucena. Além da Polícia Federal, da Policia Militar, da Polícia Civil e da Polícia Nacional da Bolívia, a diretora-presidente da Agência Municipal de Trânsito e Transporte (Agetrat), Silvana Ricco, e o cônsul do Brasil em Puerto Suárez, Jairo Collier, também participaram da agenda.