Projeto Peixe Solidário é apresentado para pescadores profissionais

A Prefeitura de Corumbá apresentou nesta sexta-feira (1º) o projeto “Peixe Solidário – Unidade Demonstrativa de Criação de Peixes” aos pescadores profissionais das colônias de Corumbá e Ladário. O evento foi realizado no auditório do Centro de Convenções do Pantanal Miguel Gómez e contou com a presença do Superintendente Federal da Pesca e Aqüicultura em Mato Grosso do Sul, Luiz David Figueiró e do Presidente da Confederação Nacional dos Pescadores, Abrãao Linconl.

O presidente da Federação de Pescadores do Estado de Mato Grosso do Sul, Armindo Batista Filho e a presidente da Colônia de Pesca de Corumbá, Luciene Lima, e de Ladário, Elis Regina Severino, também participaram da solenidade. O prefeito Paulo Duarte foi representado pelo Gerente de Pesca e Aqüicultura da Fundação de Meio Ambiente do Pantanal, Ricardo Eboli. Ele foi o responsável pela apresentação do projeto, protocolado no final do ano passado junto ao Ministério da Pesca.

A intenção, explicou Eboli, é promover uma alternativa viável de geração de renda para os pescadores profissionais da região e preservar o estoque pesqueiro da Bacia Pantaneira. “Essa é a política da atual administração: valorizar o pescador artesanal, viabilizar seu sustento de forma digna e preservar o meio ambiente”, afirmou. “Até o final do seu mandado, o prefeito quer garantir à população local mais acesso alimentar ao peixe”, complementou.

A proposta elaborada pela Prefeitura quer incentivar a criação do pintado e do pacu, espécies de grande aceitação na culinária corumbaense, em tanques redes. Em quatro anos, pelo menos 800 pescadores seriam capacitados para trabalhar nessa função. O projeto apresentado ao ministro da Pesca, Marcelo Crivella, estabelece a montagem de uma unidade demonstrativa na região do rio Taquari. Só nesse local, seriam 50 tanques redes produzindo o pescado.

Posteriormente, nove extensões seriam montadas no Porto da Manga, Codraza e Bracinho (ambas em Ladário), Albuquerque, Porto Esperança, Paraguai Mirim, São Domingos, Buritizal e no Rio Negro. Oitenta tanques seriam espalhados nessas regiões. Toda a produção seria utilizada para abastecer unidades escolares da Rede Municipal de Ensino (Reme), entidades assistenciais ou comercializados para garantiram a manutenção do projeto.

A ideia, de acordo com do Superintendente Federal da Pesca e Aqüicultura em Mato Grosso do Sul, vai de acordo com a atual política do Ministério. “O Futuro de Corumbá é a criação dos peixes em tanques redes. O ministro esta ciente e irá viabilizar a proposta”, afirmou Luiz David Figueiró, que aproveitou a oportunidade para apresentar o Plano Safra de Pesca e Aqüicultura para os profissionais da região pantaneira.

Crédito

O Plano Safra da Pesca e Aquicultura 2012/2013/2014 é um instrumento para tornar mais efetivas as políticas econômicas e sociais do Governo Federal voltadas à cadeia produtiva da pesca e aquicultura. O objetivo é ampliar as ações governamentais e o desenvolvimento sustentável por meio de medidas de estímulo à competitividade e ao empreendedorismo.

O programa permite a implantação de novos parques aquícolas em lagos e represas de várias regiões do Brasil. Por meio de diversas linhas de crédito, os pequenos pescadores e aquicultores poderão investir em novas estruturas, equipamentos e barcos.

São financiamentos com benefícios exclusivos para cada produtor: os agricultores familiares, as cooperativas, as pescadoras, o jovem e as marisqueiras. A previsão é beneficiar em torno de 330 mil famílias brasileiras com mais crédito, juros menores e prazos bem mais estendidos.