Império quer transformar a avenida em mundo de faz de conta

Penúltima escola a se apresentar na segunda-feira do Carnaval Cultural de Corumbá, a Império do Morro quer transformar a avenida General Rondon em um mundo de faz de conta. Para isso, a agremiação aposta em um desfile cheio de cores, personagens famosos e alguns efeitos especiais. Serão 13 alas e seis carros alegóricos retratando algumas dos contos infantis mais populares de todo o mundo. A decisão de trabalhar com um enredo mais lúdico foi tomada ainda no ano passado.

“Tínhamos sete temas mais ou menos prontos. Decidimos junto com o carnavalesco e com o compositor o que teria melhor aceitação do público”, explicou Waldir Padilha, diretor financeiro e administrador da agremiação. O samba é assinado e interpretado por Wander Timbalada, que volta a escola depois de sair em 2011. O carnavalesco Manoelzinho, detentor de 16 títulos, também retorna à Verde e Rosa, onde foi campeão em quatro oportunidades.

“Estamos trabalhando para fazer um desfile bem colorido, bem vivo. Teremos muito azul, laranja, roxo e, claro, o verde e o rosa em diferentes tons”, explicou. A apresentação, explicou Manoelzinho, vai seguir um roteiro que começa com o adormecer, representado pela comissão de frente, e termina com uma homenagem ao escrito brasileiro Monteiro Lobato. Nesse intervalo, personagens famosos como Aladin, o Soldadinho de Chumbo, o Gato de Botos, Alice (no País das Maravilhas) e Peter Pan estarão representados na General Rondon.

“As baianas, por exemplo, vão vir de fadas-madrinhas”, adiantou o carnavalesco. Uma das principais inovações da Império para este ano vem no símbolo da escola. “Teremos duas coroas, uma representando um rei e outra uma rainha”, antecipou sem revelar o contexto das peças dentro do enredo. As fantasias e as alegorias estão sendo confeccionadas na sede do Riachuelo Futebol Clube, onde o acesso é restrito às pessoas ligadas a agremiação.

Também mantidos em segredo absoluto, os carros alegóricos são montados no barracão da Império do Morro. O artesão Denner – natural de Corumbá, mas radicado há 13 anos em Campo Grande – é o responsável pelas esculturas. Serão cerca de 20 peças feitas a partir de isopor. “Estamos trabalhando na última fase, a da pintura”, disse o artista, que aprendeu a técnica na Casa do Massa Barro. Esse trabalho o levou ao Rio de Janeiro, onde trabalhou com Joãozinho Trinta, um dos maiores nomes do carnaval brasileiro.

A Império do Morro deve desfilar com 1200 componentes. A bateria será comandada pelo mestre Ninho. Andréa Vital será a madrinha e Mônica Menezes e Paulo Ricardo o primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira. O enredo, assim com o samba, é “A Encantadora Viagem da Império do Morro ao Mundo do faz de Conta Onde Tudo Vira Verdade”.