Na capital, Paulo atende imprensa e destaca seu início de governo

O prefeito Paulo Duarte participou de uma reunião na manhã desta sexta-feira, 18, com o governador André Puccinelli e outros 76 prefeitos sul-mato-grossenses. O encontro aconteceu no Centro de Eventos Golden Class e, na oportunidade, Puccinelli fez um pedido para que todos se unam ao Governo do Estado e à bancada federal, pelo aumento do Fundo de Participação dos Estados (FPE) a que Mato Grosso do Sul tem direito.

 

Antes da reunião, Paulo se encontrou com o conterrâneo corumbaense Alcides Bernal, prefeito de Campo Grande; com o deputado federal Geraldo Resende, além de outros políticos, e concedeu entrevistas à imprensa campograndense. Ao site de notícias Campo Grande News, o prefeito falou sobre a dengue na região de Corumbá, quando reafirmou que a situação “è preocupante”.

 

O prefeito destacou os trabalhos que estão sendo desenvolvidos na cidade, a parceria com Marinha e Exército para que os militares reforcem as ações de combate, e que o principal problema no enfrentamento da doença é a prevenção. Citou a sua preocupação em vistoriar os prédios públicos, servindo de exemplo para a população em geral, que deve fazer o dever de casa, e que, apesar dos números serem preocupantes, não chegam perto da gravidade registrada em Campo Grande.

 

Paulo Duarte fez um rápido balanço dos primeiros dias de governo e destacou a sanção da Lei Ficha Limpa para cargos da administração pública em Corumbá e a implantação do Plano Municipal de Cultura. Comentou a decisão recente de cancelar a licitação do transporte público, que estava sendo questionado na Justiça; falou da importância de ações conjuntas entre polícias para garantir maior segurança na região; defendeu ações integradas na Saúde com as cidades bolivianas localizadas na fronteira e também com Ladário, e considerou “razoável” as condições em que encontrou a situação financeira de Corumbá, sobretudo, comparado a outras cidades do Estado.

 

Hidrelétricas

 

Outro assunto comentado pelo prefeito com a imprensa campograndense foi com relação a determinação judicial que mandou paralisar projetos de hidrelétricas no Pantanal de Mato Grosso do Sul e Mato Grosso, em atendimento a pedido do MPF (Ministério Público Federal) e do MPE (Ministério Público Estadual).

 

Paulo comemorou e definiu como absurdo a instalação de usinas na região. Lembrou 2011 quando exercia o mandato de deputado estadual e recorreu ao MPF contra os empreendimentos. Chamou atenção para o fato de não existirem estudos sobre o impacto das hidrelétricas no Pantanal e apenas levantamentos individualizados para cada uma.

 

“A instalação é um desastre ambiental e quem sofre com isso é o Pantanal, os recursos naturais de Corumbá. A usina é bom só para quem é dono”, criticou, destacando que Corumbá é autosuficiente em energia elétrica e que vai fazer o que estiver ao seu alcance para apoiar a decisão judicial.