Prefeitura licita obras da hemodinâmica, ressonância e tomografia

A Prefeitura Municipal está concluindo o processo licitatório para execução das obras necessárias para implantação das unidades de hemodinâmica, ressonância magnética e tomografia computadorizada no Hospital de Corumbá. As duas licitações ocorreram no dia 26 de julho e os resultados já foram publicados no Diário Oficial de Corumbá.

 

Os prédios serão construídos em uma área dentro do Hospital de Corumbá, desapropriada pela Prefeitura para evitar que, no futuro, sejam penhorados para pagamento de dívidas contraídas pela Sociedade Beneficente Corumbaense.

 

A licitação das unidades de ressonância magnética e tomografia computadorizada foi por meio da Tomada de Preços nº 11/2012 – processo nº 12.809/2012, da Secretaria Municipal de Saúde. Resultou como vencedora a empresa Coletto Engenharia Ltda, inscrita no CNPJ/MF, sob o n° 02.125.925/0001-94. O valor é de R$ 628.245,00.

 

A licitação para construção do prédio onde será implantada a unidade de hemodinâmica no Hospital foi por meio da Tomada de Preços nº 12/2012, processo nº 13.330/2012, também da Secretaria Municipal de Saúde, também teve como vencedora, a empresa Coletto Engenharia Ltda. O valor da obra é de R$ 1.086.710,00.

 

Dias atrás, por ocasião de um Encontro Integrado da 4ª Macrorregião de Saúde de Mato Grosso do Sul, o prefeito Ruiter Cunha destacou os avanços e o que está sendo feito para acompanhar esta transformação. E entre as conquistas o chefe do executivo apontou a construção da unidade de tomografia e ressonância magnética, bem como da unidade de hemodinâmica no Hospital de Corumbá.

 

Ele falou do processo licitatório, observando que, antes, “quando quando se falou disso, muitos desacreditavam e até ridicularizaram a ação. O sonho de ser ter ressonância magnética, tomografia e hemodinâmica sem precisar enfrentar uma longa e desgastante viagem até a capital está se tornando realidade na sua estrutura física e já estamos também estruturando a licitação para fazermos o comodato dos aparelhos que vão funcionar dentro desse complexo físico”, completou Ruiter.

 

O prefeito, ao visualizar estas conquistas, considerou injusto uma região com mais de 120 mil habitantes, não oferecer serviços importantes como estes que serão disponibilizados a partir da conclusão das obras previstas, bem diferente da realidade atual – estes serviços são oferecidos só em Campo Grande, 420 quilômetros de distância.

 

Lembrou que o hospital local atende não só Corumbá e Ladário, mas também as cidades bolivianas localizadas na fronteira, que não entram nos dados oficiais, mas que “na prática do hospital é bem diferente, pois temos que atender, auxiliar e não só na Santa Casa, como também na rede básica, onde atendemos muito a população boliviana”.