Prefeitura convoca trade para reunião sobre turismo no Pantanal

Reunião nesta quinta-feira (26) vai debater assuntos relacionados às atividades turísticas de Corumbá. Para isso, a Fundação de Cultura e Turismo do Pantanal, por meio da Superintendência de Turismo, convida os empresários do setor para participarem do encontro. O evento será realizado no Centro de Convenções do Pantanal às 15 horas, na sala Rio Paraguai.

 

De acordo com o superintende de Turismo, Sandro Assef, o encontro vai tratar da regularização dos prestadores de serviços turísticos de Corumbá junto ao Cadastrur – Sistema de Cadastro de pessoas físicas e jurídicas que atuam no setor – do Ministério do Turismo. “O objetivo dessa reunião é mostrar para os empresários a necessidade de estarem cadastrados neste sistema e o quanto auxilia na divulgação dos equipamentos turístico da cidade”, disse.

 

Segundo Sandro, podem se cadastrar no sistema do Ministério do Turismo, meios de hospedagem, guias, organizadores de eventos, agências de turismo, transportadores, restaurantes e lanchonetes. “Atualmente temos pouca adesão do trade. Por exemplo, não temos nenhum local que comercializa comida pantaneira cadastrado. Um turista, que utilizar o sistema para procurar o serviço oferecido em Corumbá, não vai achar”, revelou.

 

O encontro também vai tratar de questões que envolvem a Lei Geral do Turismo e de ações fiscalizadoras que a equipe da superintendência pretende realizar nos próximos meses.

 

Levantamento

 

A partir de 1º de agosto, técnicos da Superintendência de Turismo vão realizar visitas a todas as empresas que atracam os barcos-hoteis no Porto Geral de Corumbá. A intenção é realizar levantamento e mapeamento de quantos são e também os serviços prestados por cada uma delas. “Queremos montar um banco de dados com estas informações, para que possamos evitar atracadouros clandestinos, saber o ordenamento do uso de energia e água, entre outras questões”, explicou Sandro. “Tanto a reunião quanto o levantamento são para dar segurança a quem vende, quem compra e quem fiscaliza”, justificou.