CCZ mantém controle da população felina com castração de gatos

O Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) intensificou o Programa Municipal de Esterilização Cirúrgica de Cães e Gatos, com ações específicas para evitar o aumento descontrolado da população felina, prevenindo doenças transmitidas pelos gatos. O trabalho está sendo coordenado pela Secretaria de Saúde da Prefeitura de Corumbá e faz parte de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) assinado pelo Poder Executivo e um supermercado da cidade, devido a problemas encontrados em suas instalações, apuradas pelo Ministério Público Federal, com apoio do Ministério Público Estadual, Vigilância Sanitária e Procon.

 

O programa está sendo desenvolvido às terças, quartas e quintas-feiras. As intervenções cirúrgicas, conforme a médica veterinária responsável pelos trabalhos, Stephanie Lins, estão acontecendo somente em gatos e gatas. Para ser atendido pelo programa, o dono do animal deve entrar em contato com o CCZ, marcar a entrevista com a equipe, para agendar a cirurgia. Até o momento, 75 animais já foram submetidos a este tipo de cirurgia.

 

A operação, conforme Stefhanie, acontece sempre no período matutino, de preferência nas primeiras horas da manhã. “Assim, o animal terá o restante do dia para se recuperar e no final da tarde, retornar ao lar”, ressaltou, lembrando que ao marcar a operação, o proprietário deve seguir o cronograma, comparecendo ao CCZ no dia programado. “Muitos estão deixando de levar o animal após marcar a operação”, diz.

 

Por dia são operados dois animais. As entrevistas acontecem sempre às segundas e quartas-feiras à tarde. Para realização da cirurgia, o dono do animal deve apresentar cópias do RG e CPF, comprovante de residência e caderneta de vacinação do animal.

 

Caso o animal esteja com a vacina antirábica em atraso, terá que ser vacinado e, somente após 10 dias é que a cirurgia será marcada. Stephanie Lins lembra ainda que, por enquanto, estão sendo operados somente os gatos e gatas. “Em um segundo momento, iremos realizar cirurgias nos cães, como também atender outras regiões da cidade”, adiantou, lembrando que, todas as quartas, a equipe está à disposição do GAPA (Grupo de Apoio de Proteção aos Animais).

 

O programa foi colocado em prática como forma de evitar que machos e fêmeas, ao cruzarem, tenham condições de gerar ninhadas não planejadas ou indesejáveis pelos proprietários; promover um controle populacional à medida que a quantidade de animais gerados será reduzida e, consequentemente, diminuir a curto e longo prazo o número de animais não domiciliados nas ruas; confeccionar e distribuir material informativo sobre posse responsável de cães e gatos para conscientizar a população, a fim de reduzir o índice de abandono de animais nas ruas; promover, através do controle populacional e da posse responsável, a redução das zoonoses; diminuir os custos da campanha de vacinação anti-rábica, e reduzir os custos relacionados à eutanásia, bem como o número de animais eutanasiados.