Festeiros mantêm tradição de banhar o São João no rio Paraguai

Devotos de São João Batista cumpriram novamente com a tradição e banharam as imagens do santo nas águas do rio Paraguai. A manifestação foi realizada nas primeiras horas deste domingo (24) em uma grande festa que mistura religiosidade e cultura.

 

Comitivas desceram em procissão pelas ruas da cidade. Ouviu-se então a ladainha: “Deus te salve João/Batista sagrado/O teu nascimento/Nos tem alegrado”.

 

As festas começaram no sábado bem cedo nas casas dos festeiros. São, na maioria, famílias que cultuam o santo geralmente por uma graça alcançada. Muitas das vezes, a tradição é passada dos pais para os filhos. Segundo historiadores, o Banho de São João foi introduzido na região por volta de 1882.

 

Com marchinhas que lembram as batidas de carnaval, os festeiros desceram a ladeira Cunha e Cruz fazendo muita festa. Teve quem se arriscou a passar sete vezes por debaixo dos andores para que, segundo a tradição, pudessem arranjar um casamento.

 

O ato de levar a imagem do santo em procissão ao Porto Geral de Corumbá, uma das referências históricas da cidade, é movido pelas crendices, superstições e fortes emoções. Dizem os mais antigos que o banho renova as forças do santo e abençoa tudo o que se relaciona água com o homem.

 

O andor oficial da Prefeitura de Corumbá desceu a ladeira Cunha e Cruz por volta das 23 horas. Após banhar o santo, a atração da festa ficou por conta da apresentação dos Cururueiros. Eles deram o ritmo e comandaram o erguimento do mastro com a bandeira de São João, um dos pontos altos do Arraial. Dançarinos da Oficina de Dança do Pantanal fizeram uma apresentação de Siriri, mantendo viva a tradição nas novas gerações.

 

Patrimônio


De acordo com o superintendente de Turismo, Sandro Asseff, o Banho de São João está perto de ser considerado Patrimônio Imaterial Nacional. “Temos uma série de quesitos para cumprir, mas em breve poderemos ter mais esse título para a nossa festa”, explicou. A tradicional festa já obteve o registro estadual como Patrimônio Cultural de Natureza Imaterial.