Campanha acaba mas cidade mantém ações contra trabalho infantil

A campanha para erradicação definitiva do trabalho infantil alusiva ao Dia Mundial de Combate ao Trabalho Infantil, celebrado em 12 de junho, está sendo encerrada nesta quarta-feira (27) em Corumbá, mas as ações terão sequência na cidade, articuladas pela Prefeitura Municipal, por meio da Secretaria de Assistência Social e Cidade, com apoio de parceiros.

 

Foram mais de dez dias de intensa movimentação na cidade, não só na área urbana, mas também na rural, com foco na eliminação do trabalho infantil. A campanha foi aberta no dia 16 de julho com foco na agregação de esforços para eliminar toda e qualquer forma de exploração, em defesa dos direitos da criança e do adolescente.

 

Foi um trabalho integrado com mobilização de toda a sociedade no combate ao trabalho infantil. No período houve distribuição de materiais informativos nas feiras-livres da cidade, na feira Brasbol, na rodoviária, no aeroporto, no Lampião Aceso, fronteira Brasil/Bolívia, bem como Porto da Manga e Albuquerque, com palestras informativas.

 

Um dos destaques foi o encontro na última sexta-feira no Centro de Convenções do Pantanal que contou com apresentações culturais de crianças que participam dos serviços oferecidos pela Secretaria de Assistência Social e Cidadania, com o objetivo de conscientizá-las de forma interativa, além de apresentação do vídeo ‘Vida Maria’.

 

Durante toda a tarde, a secretaria e parceiros desenvolveram uma programação com palestras de sensibilização e combate às diversas formas de trabalho infantil, inclusive com debates, por meio de rodas de conversa sobre o enfrentamento ao trabalho infantil.

 

Cerca de 150 pessoas entre representantes das escolas municipais, funcionários dos programas da secretaria, mães, crianças e adolescentes atendidos pelos serviços dos Centros de Referência de Assistência Social (CRAS), entre outros, participaram da roda de conversa.

 

As apresentações culturais foram desenvolvidas pelas crianças e adolescentes que participam dos serviços de convivência e fortalecimento de vínculos familiares dos CRAS, por crianças atendidas nos serviços incluindo as do PETI, já retiradas do trabalho infantil.

 

Um dos palestrantes foi o médico e coordenador geral de Atenção em Saúde da Prefeitura, Eduardo lasmar Pacheco, que explanou sobre os problemas físicos ocasionados às crianças que trabalham. Também contribuiu no evento a psicóloga Joneize Selesque Quevedo Costa, coordenadora do Centro de Referência Especializada de Assistência Social (CREAS), que falou sobre a realidade das crianças que trabalham e os atendimentos realizados. Já a gerente de Políticas de Assistência Social, Adelma Maria Pinto Galeano, falou sobre o objetivo da roda de conversa, e buscou chamar a sociedade para o combate ao trabalho infantil.