Novos cursos dependem de engajamento político, avalia Ruiter

Para que a Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) instale novos cursos da área de saúde no Campus do Pantanal, é preciso uma união de todas as esferas políticas do Estado, avaliou prefeito de Corumbá, Ruiter Cunha de Oliveira (PT), após reunião com a reitora da UFMS, Célia Maria Silva Correa Oliveira, realizada nesta terça-feira (15). A intenção do Executivo corumbaense é de sejam abertas vagas nas áreas de medicina, enfermagem, odontologia e farmácia bioquímica no município.

 

“É um pleito que a Prefeitura de Corumbá está se somando à Universidade Federal para buscar apoio para que nossas lideranças parlamentares, o Governo do Estado e a bancada federal possam juntos sensibilizar o Ministério da Educação e deflagrar todo esse processo”, afirmou Ruiter, apontando que o momento é o ideal, uma vez que a presidenta Dilma Rpoussef (PT) sinalizou que vai aumentar a oferta de cursos de medicina em todo o País.

 

“Existe uma vontade do Governo Federal em se ampliar os cursos e isso já é uma realidade. E o Centro-Oeste tem algumas vagas reservadas dentro desse plano macro do Governo Federal. Agora é aproveitar o momento e trabalhar para que nós aqui em Corumbá possamos receber essa instituição”. A localização geográfica do município, segundo o prefeito, é um dos fatores que podem privilegiar a cidade.

 

“Um dos fortes argumentos para que esse centro universitário possa ser implantado aqui é o Pantanal e a fronteira. Esses cursos atenderiam as demandas e o projeto de crescimento para o Brasil em relação ao Mercosul, envolvendo ai também a fronteira com a Bolívia. Hoje a grande realidade é que faltam profissionais de medicina, não só em Corumbá ou Mato Grosso do Sul, mas também em todo o País”, afirmou Ruiter.

 

Aliando-se a isso, o município tem sinalizado sua vontade de contribuir para o melhoramento e aperfeiçoamento do atendimento na área de saúde. “Prorrogamos a intervenção no Hospital, mostrando que a Prefeitura quer tratar a instituição da forma como ela merece ser tratada”, destacou o prefeito, projetando adequar a instituição em um hospital universitário que sirva para o futuro curso de medicina.

 

“Tecnicamente a reitora foi muito sensível com a nossa reivindicação. Explicou, ponderou e se colocou do nosso lado. Agora é correr politicamente para que possamos dar novos passos. O primeiro, que seria a manifestação dos agentes políticos locais, foi dado. O segundo passo é ter essa vontade exteriorizada também pela instituição universitária. Agora é sensibilizar nossa classe política e, com eles, fazer esse pleito mais urgentemente possível para o Mistério da Educação”, completou o prefeito.

 

Macrorregião

 

Outro fator que pode colaborar para a implantação de cursos na área de saúde em Corumbá é o reconhecimento de Corumbá como a quarta macrorregião de Mato Grosso do Sul. “Isso representa que Corumbá terá uma autonomia maior com relação à saúde, o Hospital vai crescer, aumentando também o numero de leitos, com novos serviços de média e alta complexidade, além de cerca de R$ 3 a R$ 4 milhões mensais a mais para serem aplicado na saúde da população”, afirmou o secretário de Saúde, Lauther da Silva Serra.

 

“Esse é um dos principais embasamentos que usamos para pleitear a implantação de um curso de medicina na cidade. Vamos precisar de profissionais aqui, uma vez que estamos instalando cinco ou seis novos serviços. Nossa estimativa é de que, em aproximadamente dois anos, aumentemos mais 200 leitos no hospital. Estamos trabalhando para que as coisas aconteçam e o povo corumbaense tenha o atendimento que ela merece e que o pantaneiro tenha acesso a alta complexidade”, finalizou Lauther.