Fórum debate políticas para inclusão de pedintes e moradores de rua

O I Fórum Municipal de Enfrentamento à Mendicância de Corumbá, realizado pela Secretaria Municipal de Assistência Social e Cidadania e a Secretaria Especial de Integração das Políticas Sociais, debate políticas públicas para inclusão social de pedintes e moradores de rua. Aberto na noite desta quarta-feira (23) no Centro de Convenções do Pantanal Miguel Gómez, o evento continua nesta quinta-feira, quando vários eixos temáticos discutem alternativas em busca de soluções.

 

Durante a cerimônia de abertura, o secretário municipal de Assistência e Cidadania, Haroldo Ribeiro Cavassa, detalhou os serviços oferecidos pelo Município, baseados no referenciamento realizado pela Secretaria. “Com esse mapeamento, conseguimos identificar que vive em situação de rua e quem sobrevive da rua, que são condições bem diferentes”, afirmou. Haroldo destacou o trabalho realizado no Centro de Qualificação – Dom Bosco, uma parceria da Prefeitura com a Missão Salesiana.

 

“Em 2011 capacitamos 705 pessoas em 16 cursos. Para este ano, disponibilizamos 1200 vagas”, complementou. Outro instrumento é Casa de Passagem, assumida no final de 2010 pelo Município. “No ano passado atendemos 218 pessoas, a maioria homens (162). Mantemos lá uma equipe multidisciplinar que dá todo apoio necessário ao público”, explicou o secretário. A horta comunitária criada no local permite que os albergados se alimentem de vegetais produzidos por eles próprios.

 

O Programa Aluguel Social, criado pela Lei Municipal 2.224, de novembro de 2011, o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec), do Governo Federal, e o trabalhos de outras instituições, como o Senac, o Senai, Aclaud, Mãos Amigas, o Cerda também foram lembrados pelo secretário de Assistência como peças importantes no enfrentamento a mendicância. “Agora é a hora de toda a população somar conosco para construirmos juntos esses plano de enfrentamento”, completou.

 

Agradecendo a presença maciça na abertura do Fórum, Haroldo lamentou a ausência do empresariado local no evento. “Precisamos que toda a sociedade venha conosco e se some a este trabalho. Só assim vamos minimizar essa situação e dar uma vida melhor a essa população que tento precisa”.

 

Segurança

 

A delegada Priscila Anuda Quarti Vieira, titular da Delegacia de Atendimento à Infância, Juventude e Idoso (DAIJI), reiterou que a união de forças é o melhor instrumento para o enfrentamento da mendicância na região. “Temos que nos dar as mãos e trabalhar juntos, engajados em prol desse objetivo, todos juntos nessa missão”. Apontando a dependência de drogas como fator que favorece o aumento no número de moradores de rua, a delegada lembrou que esse não é um problema exclusivo de Corumbá.

 

“O Brasil todo tem esse problema com ‘bocas de fumo’. Não só um privilégio dessa área de fronteira”, enfatizou. Dados da Polícia Civil mostram que de setembro do ano passado até agora, mais de 70 pontos de vendas de drogas foram fechados na cidade. “Mas nada disso adiante se não houver ajuda da população”, apontando a receptação de produtos furtados como um dos principais financiadores da compra de entorpecentes.

 

“Não temos achados esse produtos de furtos só nas ‘bocas de fumo’. Muitos são localizados em casas de pessoas de bem, que pagam muito a baixo do valor de mercado porque sabem que é originado de ilícito. Para combater a criminalidade e consequentemente o consumo de drogas, cada um precisa chamar a responsabilidade para si”, completou a titular da DAIJI.