Na Sapucaí, Belford Roxo mostra Corumbá para o Brasil e o mundo

Corumbá, cidade localizada no extremo oeste brasileiro, foi representada na maior arena carnavalesca do Brasil nesse sábado de carnaval (18). A honra de ter sua história e seu povo contados em alegorias e fantasias foi mérito da G.R.E.S. Inocentes de Belford Roxo, que empolgou o público da Marquês de Sapucaí, no Rio de Janeiro, com uma escola repleta de surpresas e enchendo de orgulho o povo corumbaense em uma apresentação impecável. Desde a comissão de frente até a velha guarda, que fechou o desfile da agremiação, a Cidade Branca esteve presente em todos os momentos.

Tudo começou com um grande tatu entrando na Sapucaí. Dentro da alegoria, 15 pessoas trajadas com vestes verdes, remetendo a roupas indígenas, buscavam as sandálias de Frei Mariano. Segundo a crendice popular, a cidade foi "amaldiçoada" com uma praga que só seria desfeita assim que fosse encontrado o calçado do religioso. Logo em seguida, o carro abre-alas mostrou que, definitivamente, a escola saiu para brigar pelo título do grupo de acesso e ascender à elite do carnaval carioca.

No primeiro carro da escola, o verde da estrutura e luzes estrategicamente posicionadas mostravam a sinfonia da natureza e toda a riqueza natural da cidade detentora da maior extensão territorial do Pantanal. O desfile seguiu com o mar de Xaraés, a fauna, a flora, até chegar ao coração da mais nova agremiação do grupo de acesso do carnaval do Rio de Janeiro. Conduzida pela atriz Luciana Picorelli, o coração da escola, a bateria, chegou com fantasias que remetiam ao uniforme dos militares de Forte Coimbra e, no chapéu dos ritmistas, vinha uma representação dos gaviões caramujeiros.

Com alas coreografadas e a riqueza de detalhes do terceiro carro, que representou a Guerra do Paraguai, a Belford Roxo seguiu categoricamente os minutos disponíveis e impressionou o público com o cuidado em retratar fielmente a cidade que recebeu do Rio de Janeiro a influência do carnaval. Enquanto os blocos oficiais animavam a Avenida General Rondon em Corumbá, a cidade se fazia presente na Marquês de Sapucaí nas 21 alas e nos cinco carros apresentados na Marquês de Sapucaí.

"Extasiante". Foi assim que o prefeito Ruiter Cunha de Oliveira (PT) resumiu a emoção de ver sua cidade natal representada na Sapucaí. "É indescritível a sensação de ver Corumbá sendo contada em riqueza de detalhes na maior passarela do samba do Brasil e do mundo", disse, completando: "Com certeza, empolgou o público e, para Corumbá, é indescritível a sensação e incalculável o valor da ampla divulgação e exposição que tivemos neste sábado de carnaval".

Para Ruiter, o sentimento de ouvir o samba-enredo que, entre os versos, destacou "Eu sou Corumbá", foi algo que transcende até mesmo o título do grupo de acesso do carnaval carioca. "Mesmo se a Inocentes de Belford Roxo não ganhar o título, apesar de estarmos na torcida para que ela seja campeã, fica o nosso agradecimento, não tem preço ver toda a energia corumbaense sendo repassada nestes 80 minutos de desfile", continuou. O prefeito desfilou na ala da diretoria da escola, juntamente com o presidente da agremiação, Reginaldo Gomes.

A Inocentes foi a quarta escola a entrar na avenida, após o desfile da Unidos da Tijuca, e cumpriu rigorosamente o tempo previsto pela Liga das Escolas de Samba do Grupo de Acesso A e B do Rio de Janeiro. Com o enredo sobre Corumbá, a escola da baixada fluminense carimba a sua chance de subir pela primeira vez ao grupo de elite do carnaval carioca. A apuração será na quarta-feira de cinzas (22), quando as campeãs serão conhecidas.