Império do Morro busca o tetra cantando um mundo imaginário

Os desejos de farturas, conquistas, riquezas, eternidade, paz, amor… as ilusões criadas pelo homem na busca de um mundo ideal, foi o que a Império do Morro procurou mostrar na avenida já na madrugada desta terça-feira (21) em Corumbá, fechando o desfile das escolas de samba do grupo principal no melhor e maior carnaval do centro oeste brasileiro. A agremiação fundada em 15 de agosto de 1958, busca seu 31º título e apostou tudo no enredo "No livro da vida a Império tenta descobrir… o que move a humanidade".

A Império encerrou o desfile do grupo especial do carnaval corumbaense. Dividiu sua apresentação em cinco setores: Amor – como é grande o meu amor por você; Fé – andar com fé eu vou, que a fé não costuma faia; Dinheiro – ei, você aí, me dá um dinheiro aí, me dá um dinheiro aí…; Desafios – a força de errar deve ser maior que o medo de errar. Crie seu próprio desafio, e o quinto e último setor, Sonhos – o mundo está nas mãos daqueles que tem a coragem de sonhar e correr o risco de viver seus sonhos…

Abriu o desfile com uma comissão de frente coreografada por Chico Neller, embalada pelo livro da vida. O primeiro casal de mestre sala e porta bandeira veio em seguida, Douglas e Priscila proporcionaram um belo espetáculo. O carro abre alas com o símbolo da escola, a coroa, representou a inspiração da sobrevivência da humanidade.

O primeiro setor foi aberto pela ala das baianas com a fantasia é o amor, que estava presente nas demais alas, inclusive da comunidade. A fé veio no segundo setor, representado por três alas e um carro alegórico; o dinheiro foi o terceiro setor representado inclusive pela bateria com 150 componentes, e pela rainha Silvia Porto; os desafios foram representados pelas duas alas e um carro alegórico. Encerrou a apresentação sonhando e acreditando que o sonho pode se tornsar realidade.