Saúde realiza levantamento de incidência da dengue em Corumbá

A Secretaria de Saúde da Prefeitura de Corumbá iniciou nesta quarta-feira (04) o Levantamento de Índice Rápido de Infestação de Aedes aegypti (LIRAa), primeiro ciclo de 2012, que vai apontar o índice de infestação predial do mosquito causador da dengue na cidade. O trabalho é importante para definir as ações de combate à doença na área urbana do Município. A conclusão da pesquisa será na quinta-feira (05) e estão sendo visitados mais de 1.7 mil imóveis, distribuídos em 257 quarteirões.

O levantamento está sendo realizado por uma equipe composta por 62 pessoas, sendo 54 agentes de endemias, seis supervisores de áreas e dois supervisores gerais. Com o diagnóstico do LIRAa, a secretaria vai identificar o nível de infestação e vulnerabilidade em relação à dengue por regiões, inclusive os bairros com maior índice de infestação predial, bem como os tipos de depósitos ou criadouros, para intensificação as ações nestas áreas.

O levantamento está ocorrendo por amostragem. Estão sendo visitados os bairros Arthur Marinho, Cervejaria, Dom Bosco, Generoso e Centro 1 (resultado da divisão do bairro Centro para fins de amostragem para o LIRAa, estendendo-se dos limites da Rua Edu Rocha até a Rua Antonio Maria), chamado de estrato 1, composto por 43 quarteirões e 427 imóveis. No estrato 2 a pesquisa acontece nos bairros Beira Rio, Centro 2 (da Rua Antonio Maria à Rua Albuquerque), Maria Leite, Universitário, Industrial e Previsul. O levantamento será feito em 63 quarteirões, com visitas a 428 imóveis.

Já no estrato 03, os bairros trabalhados são Centro América, Cristo Redentor (composto por: Vitória Régia, Cristo Redentor e Cravo 1, 2 e 3), Nossa Senhora de Fátima, Popular Velha e Guatós, composto por 72 quarteirões e 430 imóveis. No estrato 04, os agentes estão visitando 428 imóveis, localizados em 79 quarteirões nos bairros Aeroporto, Guarani, Jardim dos Estados, Nova Corumbá e Popular Nova.

O último LIRAa realizado foi no final de outubro de 2011 e apontou incidência de 1%, dentro do aceitável pelo Ministério da Saúde, considerado de médio risco da doença. Mostrou que quatro bairros, na época, estavam com taxas altas: Maria Leite, com 4,71; Cristo Redentor, com 2,84; Nova Corumbá, com 1,94, e Guató, com 1,41. Apresentou também que os maiores responsáveis pela proliferação foram os depósitos de água em nível de solo, 78,6%; depósitos móveis (vasos e pratos, frascos com plantas, bebedouros de animais, etc.), com 14,3, e lixo e outros resíduos sólidos, com 7,1%.