Prefeitura e Capitania capacitam ribeirinhos no Passo do Lontra

A Prefeitura de Corumbá e a Capitania Fluvial do Pantanal iniciam nesta segunda-feira (23) a capacitação de ribeirinhos residentes na região do Passo do Lontra, às margens do Rio Miranda. Os pescadores e piloteiros passarão pelo Curso de Formação Aquaviária – Nível Especial (CFAq 3). A qualificação, com carga horária de 40 horas/aula, inclui aulas teóricas e práticas. Após o curso, todos estarão capacitados a pilotar qualquer embarcação com motor de popa em águas interiores.

Esta será a segunda turma formada pela parceria entre Prefeitura e Marinha. A primeira ocorreu em julho de 2011, durante a 14ª ação do Programa Social Povo das Águas, quando foram beneficiados os moradores das margens do rio Paraguai Mirim. Faz parte de uma ação da Secretaria Municipal de Assistência Social e Cidadania. "Todo o curso tem duração de uma semana. Para muitos pescadores é inviável permanecer na cidade durante todo este tempo. Então este trabalho conjunto possibilita levarmos este serviço até as regiões mais distantes", detalhou Lilia Bezerra, gestora do Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) Itinerante.

Depois da capacitação, os ribeirinhos aprovados nos exames médicos e teóricos receberão a Caderneta de Inscrição e Registro (CIR), oferecida pela Capitania. Ao longo de todo o ano, a Prefeitura de Corumbá promove diversas ações nas localidades distantes da área urbana do município, quase todas habitadas por pescadores ou trabalhadores do setor turístico. No Passo do Lontra, por exemplo, são cerca de 31 famílias vivendo a mais de 120 quilômetros de distância da cidade.

Pioneiro

Dos 50 ribeirinhos que iniciaram o curso em julho do ano passado, 48 concluíram todas as atividades e foram aprovados no exame final. "Foi uma surpresa ver a perseverança com que essa gente corre atrás de seus ideais. Tivemos mulheres gestantes, outras amamentando, que vieram de longe e ficaram alojadas aqui só para não perder esta oportunidade. Foi bastante gratificante", definiu o sub-oficial Jorge Alexandre Silva de Oliveira, supervisor de ensino marítimo da Capitania Fluvial, responsável pelo curso na região do Paraguai Mirim.

Para Antônio Caetano, morador do Porto Vida Nova, na boca da Baia Vermelha, a habilitação fluvial representa a realização de um sonho antigo. "Esse curso foi importante demais. Com certeza era o grande objetivo de todo mundo por aqui. A pratica de navegar pelo rio temos a muitos anos. Agora teremos a oportunidade de trabalhar sem medo da fiscalização", contou o ribeirinho, que por duas vezes já havia sido multado pela fiscalização.

Pai de 5 filhos, ele sustenta toda a família da pesca. Apesar das dificuldades provocadas pelo pouco estudo, conseguiu ser aprovado na prova final. "Tudo isso graças ao nosso instrutor, que foi nota 10, e ao prefeito Ruiter (Cunha de Oliveira -PT) que tem olhado e ajudado todo o povo pantaneiro", reforçou Antônio. A presença da Prefeitura na região ribeirinha também foi lembrada pela senhora Dalvina Moura de Arruda. "Eu não tinha nem registro. Consegui tirar depois que a Ação Prefeito Presente aconteceu aqui para cima", recordou. "Só depois que resolvi minha situação, conseguiu registrar minha filha e matriculá-la na escola", completou.

Há 30 anos morando no Porto Figueira, Ramão Elias de Oliveira Mendes, foi outro que conseguiu completar o curso. Além dele, a mulher e o filho mais velho também aproveitaram a chance de se regularizar junto a Capitania Fluvial do Pantanal. "Foi a primeira oportunidade deste tipo que tivemos na vida. Não dava para deixar escapar. Agora vamos poder navegar tranqüilos atrás do peixe deste pantanal de Deus", concluiu.