Concluída a visita técnica, comitê da saúde começa a ser formatado

A primeira etapa já foi cumprida. Na manhã desta quara-feira (18), médicos e autoridades bolivianas ligadas ao setor de saúde pública visitaram as principais unidades de saúde de Corumbá, para conhecer a realidade local e iniciar o processo de formatação do Comitê de Saúde na Fronteira, instrumento que visa oferecer uma melhor estrutura de atendimento às populações residentes em Corumbá e nas cidades bolivianas de Puerto Quijarro, Puerto Suarez e El Carmen.

As visitas técnicas foram iniciadas na terça-feira, quando uma equipe da Prefeitura de Corumbá e parceiros da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), realizaram visitas aos hospitais e unidades de saúde de Quijarro, Puerto Suarez e El Carmen, para conhecer a realidade do outro lado da fronteira. Hoje, foi a vez dos bolivianos visitarem o Pronto Socorro Municipal, a Santa Casa e a Maternidade.

O grupo foi recebido na cidade por uma equipe da Prefeitura, comandada pelo prefeito em exercício, Ricardo Eboli, e pelos secretários Lauther Serra (Saúde) e Daniel Martins Costa (Administração e Finanças e presidente da Junta Administrativa do Hospital). A subsecretária de Saúde, Maria Antonieta Sabatel, e o técnico da Fiocruz, Antonio Flávio Ferraz, também acompanharam a visita, destaca por Eboli como "importante para o estabelecimento de uma ferramenta importante para aperfeiçoar os trabalhos na área da saúde dessa região de fronteira".

A participação de Antonio Ferraz, da Fiocruz, é fundamental para a efetivação do comitê de saúde. Ele foi um dos responsáveis pelo trabalho desenvolvido em Ponta Porã e Pedro Juan Caballero (Paraguai), onde foi criado um comitê que tem sido exemplo para várias regiões do País. Na manhã de hoje, enquanto aguardava a equipe da Bolívia para iniciar a vistoria, ele revelou um fato importante no Paraguai, que chamou bastante a atenção: atendimento.

Segundo Ferraz, "no Paraguai o atendimento é excelente" e que poderia ser seguido por muitas cidades brasileiros. O atendimento que ele se referiu foi proporcionado por servidores públicos lotados nas unidades de saúde. "Além do atendimento excelente, o horário é cumprido à risca", disse, lembrando que, na Bolívia, nas três cidades visitadas, os médicos estavam todos presentes, o que é relevante.

Lembrou que o desafio agora será elaborar um diagnóstico da situação da saúde nesta região de fronteira, para a partir de então, incrementar o diálogo entre as duas partes (Brasil e Bolívia) para a efetivação do comitê de saúde. Disse também que isto vai permitir conhecer a realidade e saber o que uma cidade poderá oferecer à outra. Ferraz participou da reunião técnica na sala da subsecretaria Antonieta Sabatel, quando foi feita uma avaliação de todo trabalho desenvolvido nos dois últimos dias. Ele deixou inclusive esboços do processo de criação do comitê de fronteira de Pedro Juan e Ponta Porã, inclusive com cópia do estatuto em português e espanhol, para ser analisado e avaliado pelas duas partes, Brasil e Bolívia.