Povo das Águas realizou mais de 6,2 mil atendimentos em 2011

Criado pela Prefeitura de Corumbá para levar serviços médicos, odontológicos, educacionais e sociais aos moradores das áreas de difícil acesso do Pantanal corumbaense, o Programa Social Povo das Águas realizou 6.219 atendimentos em 2011. O levantamento é da Secretaria Especial de Integração das Políticas Sociais, pasta responsável pela coordenação da ação, e mostra também que os serviços alcançaram 615 famílias ribeirinhas somente neste ano.

"Dividimos a planície pantaneira em três grandes regiões: Alto Pantanal, Taquari e Baixo Pantanal, onde cada uma delas recebeu três edições do Povo das Águas 2011. Ou seja, cada família foi atendida em três ocasiões diferentes", explicou a primeira-dama Beatriz Cavassa de Oliveira, secretária de Integração das Políticas Sociais. Nestas nove ações do programa, a Prefeitura distribuiu 1.875 cestas básicas; 8.444 colchas; 332 kits bebês; 1.132 kits verduras, além de roupas, agasalhos e redes.

Foram beneficiados os moradores do Corixão, Cedrinho, Porto Santa Ana, Porto Sagrado, Porto Figueira, Porto Sairu, todas no Taquari; Rio São Lourenço, Barra do São Lourenço; Paraguai Mirim; Baia Vermelha, Ilha Verde, Porto Chané, Amolar, Castelo, Capim Gordura, Domingos Ramos, Tuiuiú, Piuval, na parte alta; e da Volta Grande, Boca do Paraguai Mirim, Formigueiro, Porto da Manga, Forte Coimbra, Porto Esperança e Porro Morrinho, na região baixa.

Na primeira edição do Povo das Águas 2011, realizada em março no Taquari, a equipe da Prefeitura encontrou centenas de famílias castigadas pela cheia da planície. "A gente não esperava tanta chuva. Ela acabou com toda a nossa roça", narrou Elisandra Soares Castelo, 32 anos, mãe de duas filhas pequenas. "Não sei o que faríamos se não chegasse essa ajuda", disse a taquarizana, nascida e criada no sitio Liberdade, distante aproximadamente 150 quilômetros da área urbana de Corumbá.

"A vida aqui não é fácil, mas pelo menos a gente vive no que é nosso", justificou Airton Soares Vieira, 46 anos, marido de Elisandra. Para vir até a cidade, os ribeirinhos gastam até R$ 50 em uma viagem que pode durar mais de 12 horas. "A água acabou com todas as minhas plantas. Eu tinha bastante mandioca, banana, só que agora está tudo inundado. Mas fazer o que? Isso é obra de Deus. Tem que aguentar o que Ele quer", comentou Bernardo Tássio, 81 anos, morador da Barra do São Lourenço, segunda região atendida pelo Programa Social.

O aposentado mora com quatro dos quinze filhos que teve com Dona Irene, e mais uma neta de 13 anos, no mesmo local onde ele nasceu e cresceu. "Ali morreu meu pai, duas irmãs e um sobrinho. Da minha família, só resta eu por aqui", contou. O casal passou pelo médico, tomou as vacinas contra a gripe e recebeu todos os serviços disponibilizados aos ribeirinhos. Já na última viagem de 2011, o barco que atende o Município encontrou uma situação completamente diferente na parte baixa.

"Baixou muito e acho que ainda seca mais um pouco", disse Carmelindo Soares, 60, morador de um pequeno sítio em Porto Morrinho. Em junho, quando o Povo das Águas atendeu a região baixa do Pantanal pela primeira vez no ano, a residência dele estava pelo menos 30 centímetros embaixo d'água. Hoje um enorme barranco separa a casa do rio Paraguai. Recém operado, Seu Carmelindo ainda tem dificuldade para passar horas na canoa em busca do alimento para a família.

"Quem está tocando as coisas aqui sou eu", contou Julia Souza, 56 anos, mulher do pescador. O barranco extremamente é um dos desafios que o casal enfrenta diariamente. "Ele desce e sobe isso bem devagar porque operou da próstata e não pode fazer força. Cair então, nem pensar", afirmou a senhora, reiterando que a dificuldade de chegar até a cidade é amenizada quando a equipe chega em seu porto. "É muito bom ver o Povo das Águas chegando. Alivia o coração", descreveu.

"É por tudo isso que a presença do Poder Público municipal nestas localidades é fundamental. São pessoas que precisam muito da nossa atenção", completou a secretária Beatriz Cavassa de Oliveira. Além da Secretaria Especial de Integração das Políticas Sociais, a Secretaria de Assistência Social e Cidadania, a Secretaria de Saúde, a Secretaria de Educação, a Fundação de Meio Ambiente e Desenvolvimento Agrário e a Defesa Civil também integram o Programa Social Povo das Águas.