Servidor: O pavimento entre o isolamento e a cidadania plena

Especial Servidor Público

"Apesar de ser uma tarefa extremamente desafiadora, também é muito realizador servir à população e participar das conquistas da cidadania"

Hoje a comerciante Rosana Marques, 43 anos, mora em uma casa ampla no centro de Corumbá, mas até 2009 ela vivenciou juntamente com os pais Edmundo Ribeiro Dias (Sakima), 79 anos, e Maria José Ribeiro, 72 anos, o drama do alagamento e da lama nos períodos de chuva, e da poeira sufocante na época seca na Rua Cyríaco de Toledo, bairro Aeroporto. "Quando chovia, ficávamos ilhados, sem poder sair de casa. Havia um minadouro na rua de cima que inundava tudo e a rua de baixo também ficava intransitável. Mas hoje é diferente, pois, com a chegada do asfalto, nada mais lembra aquele tempo", conta.

Ela ainda se lembra das máquinas realizando a terraplanagem para a implantação do pavimento asfáltico, contando que esta era uma reivindicação de muitos anos de toda a comunidade, que também sofria com a violência devido ao isolamento. "Hoje, com o asfalto, aumentou o fluxo de carros e de pedestres, e isto tem garantido mais segurança para todos. Meus pais que continuam lá não ficam mais isolados", enfatizou, contando que ele mora no local há 65 anos.

Esta é uma das incontáveis situações que o engenheiro civil Edson de Moraes Rodrigues, gestor de obras da Prefeitura de Corumbá, tem observado ao longo de quase 24 anos na função. Atualmente, além de responsável pela manutenção das vias públicas no município, de linhas de ônibus a estradas de assentamentos, ele tem acompanhado as obras dos novos asfaltos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Isso inclui medição e fiscalização da execução para checar se tudo está saindo conforme as normas do programa e garantir que os cidadãos estão recebendo um serviço de qualidade.

Não bastassem tais atribuições, também é ele quem cuida da limpeza de ruas e terrenos, da retirada de entulhos e outros serviços urbanos. "Neste trabalho, estou cotidianamente em contato com as pessoas, ouvindo seus pedidos, sugestões, reclamações e elogios. Cada dia ouço uma história diferente e, por isso, fazemos o possível para atender as necessidades de todos e mostrar que o Poder Público está presente sempre que preciso", afirma.

Para o engenheiro, apesar de ser uma tarefa extremamente desafiadora, também é muito realizadora a possibilidade de servir à população e participar de conquistas tão importantes para a cidadania, que, em alguns casos, podem representar mudanças esperadas por toda a vida. "Minha mãe sempre falou que, antes de morrer, veria o asfalto passando em frente à sua casa. E este sonho se realizou", conta Rosana.

"Minha mãe sempre falou que, antes de morrer, veria o asfalto passando em frente à sua casa. E este sonho se realizou"

(Fatos narrados em dezembro de 2010)