Corumbá vai receber R$ 1,2 milhão para Unidade Fluvial de Saúde

O Ministério da Saúde autorizou, nesta terça-feira (29), a liberação de R$ 1,2 milhão para a construção de uma Unidade Fluvial de Saúde que vai atender as famílias ribeirinhas do Pantanal, no município de Corumbá. O convênio foi assinado pelo prefeito Ruiter Cunha de Oliveira (PT), que esteve em Brasília (DF) para tratar dos pleitos da cidade na área e assinar termo de compromisso sobre metas e padrões de qualidade a serem cumpridos na atenção básica local. Com o recurso federal, e outros R$ 200 mil de contrapartida municipal, Corumbá será a primeira cidade de Mato Grosso do Sul a receber a embarcação, que servirá o Programa Social Povo das Águas.

A unidade fluvial destinada a Corumbá contará com toda a estrutura para atender os mais de 3 mil ribeirinhos do Pantanal corumbaense. Entre os itens previstos, estão consultórios médico, odontológico e de enfermagem, ambiente para armazenamento e oferta de medicamentos, laboratório, sala de vacina, banheiros, sala para outros procedimentos ambulatoriais, cozinha e cabines com leitos em quantidade suficiente para abrigar a tripulação. Todos esses equipamentos virão acompanhados de equipes profissionais formadas por médico, enfermeiro, técnico de enfermagem e de laboratório, além de agentes comunitários que atuam na Estratégia Saúde da Família.

Conforme Ruiter, esta é uma conquista inédita e de extrema importância para o povo pantaneiro, que dará as melhores condições possíveis para o trabalho do Povo das Águas, iniciativa da Prefeitura que mensalmente leva toda assistência aos pantaneiros. "Hoje, graças aos esforços e dedicação de nossos servidores, já atendemos as três grandes regiões do Pantanal, que por muito tempo ficaram esquecidas pelo Poder Público, mas ainda enfrentamos dificuldades pela falta da estrutura adequada. Com a unidade fluvial, vamos ampliar e melhorar o Povo das Águas para atender aquela população como sempre desejamos e como ela merece", salientou.

Além do recurso para a embarcação, o Ministério da Saúde custeará parte dos serviços com R$ 600 mil por ano, de acordo com o próprio órgão federal. "Este é um grande programa nacional, pois o brasileiro que vive na Amazônia ou no Pantanal tem o mesmo direito à saúde que qualquer outro cidadão", disse o ministro Alexandre Padilha. "Com a unidade e os profissionais, o Município terá a condição de ampliar a frequência da assistência em atenção básica às comunidades com dificuldade de acesso aos serviços de saúde, devido às longas distâncias e dificuldades de deslocamento e transporte", observou o secretário municipal de Saúde, Lauther da Silva Serra, que também esteve em Brasília.

Projeto

O compromisso do ministro da Saúde com o programa Povo das Águas foi firmado em julho deste ano, em reunião com o prefeito Ruiter. Na ocasião, Padilha garantiu o atendimento ao pleito por se tratar do Pantanal, uma região especial e com características semelhantes às da Amazônia, quanto às distâncias. No dia 24 de agosto, o ministério autorizou a entrega dos projetos das 32 embarcações que prestarão assistência integral e contínua à saúde das populações ribeirinhas de todo o Brasil e, logo em seguida, Corumbá apresentou sua proposta, juntamente com amplo material ilustrativo sobre o programa municipal, realizado regularmente desde março de 2010.

Para a secretária especial de Integração das Políticas Sociais, Beatriz Cavassa de Oliveira, que coordena o Povo das Águas, a unidade fluvial representa um avanço sem precedentes para a população pantaneira, principalmente por dar a certeza de que, com ela, a iniciativa vai se consolidar como política pública. "Além de não ser mais preciso gastar com aluguel de barco, a unidade significará um imenso salto em estrutura para os profissionais que levam as ações aos ribeirinhos, proporcionando-lhes melhores condições de trabalho e de descanso, já que hoje eles precisam utilizar locais improvisados nas casas dos próprios moradores para prestar os atendimentos necessários", explicou.