No Guató, novo conjunto reduz ainda mais o déficit habitacional

A Prefeitura de Corumbá está construindo um novo conjunto habitacional na parte alta da cidade, região sul, no Bairro Guató. São mais 260 casas que vão contribuir para redução do déficit habitacional na cidade, estimado em 4,5 mil moradias, conforme levantamento realizado pelo Poder Executivo em 2005, no início da primeira gestão do prefeito Ruiter Cunha de Oliveira (PT). As moradias integram o Corumbella II do Programa Minha Casa Minha Vida, do Governo Federal. Esta é a primeira etapa do projeto. O Município está preste a iniciar o Corumbella I, com outras 336 unidades habitacionais.

O novo conjunto habitacional está sendo construído em parceria pela Prefeitura e Governo Federal, com apoio da Fundação Vale. O Corumbella II é voltado para famílias com renda de até três salários mínimos. No local estão sendo investidos R$ 11.896.045,14, recursos oriundos do Governo Federal, da Prefeitura e também da Vale, que assegurou R$ 1,32 milhão para execução de obras de infraestrutura, como drenagem, asfalto e redes de água e esgoto.

No local, uma área localizada ao lado do anel viário, próximo à Escola Municipal Almirante Tamandaré, a empresa responsável pela construção do conjunto, está acelerando o ritmo da obra. São cerca de 50 trabalhadores levantando as primeiras casas e a previsão é que até dezembro, este número chegue a 150, como forma de cumprir o estabelecido no cronograma que é concluir o empreendimento até setembro de 2012.

O prefeito Ruiter projeta reduzir o déficit habitacional em mais de 50% na cidade, com a construção de cerca de 2,5 mil casas. Somente o PAC Casa Nova, são 800 unidades, todas já concluídas. Desse total, 274 já estão habitadas. As demais serão entregues a partir da implantação de redes de água e esgoto sanitário. Além disso, outras 338 foram implantadas por meio do Promoradia, no Bairro Aeroporto, também aguardando água e esgoto para serem habitadas, e 112 do PAC-FNHIS (Fundo Nacional de Habitação de Interesse Social).

Com as que estão sendo iniciadas agora, como as 260 do Corumbella II, e outras 336 do Corumbella II (em fase de aprovação na Caixa), ambas do programa Minha Casa Minha Vida, além das 400 unidades previstas pelo PAC II (200 na Popular Nova / Jardim dos Estados e 200 no Guató), totalizando 2.246 moradias, sem contar os terrenos doados pela Prefeitura ao Movimento Nacional de Luta Pela Moradia, 130, e os apartamentos que estão sendo entregues ou construídos na cidade por meio do Minha Casa Minha Vida, para famílias com renda superior a três salários.

"São casas para atender famílias de baixa renda e que vivem em situações de risco, já cadastradas pelo município", comentou o prefeito, que prevê aumentar ainda mais este número, com os novos projetos que estão tramitando em Brasília, junto ao Governo Federal. Ao todo, são 2.432, reduzindo o déficit em 54,04%, que deve cair ainda mais a partir da implantação de novos empreendimentos na cidade, inclusive para atender uma outra faixa da população, famílias com renda entre três e 10 salários mínimos. Para tanto, a Prefeitura, por meio de lei, está concedendo incentivos fiscais, atraindo empresas do segmento da construção civil, para que invistam na cidade, construindo casas ou mesmo apartamentos para atender outras classes da sociedade.