Galeria no bairro Centro América entra em sua fase de conclusão

A galeria que a Prefeitura de Corumbá está implantando na região leste da cidade entra em sua fase de conclusão. Os serviços foram retomados no final da semana passada e a previsão é que dentro de 50 dias, estejam concluídos. Esta é uma das quatro galerias projetadas pelo prefeito Ruiter Cunha de Oliveira (PT) para captar a água que desce da parte alta e evitar problemas de inundações na área urbana, como em 1992 e agora, no início de 2011. A obra havia sido paralisada às margens da rede ferroviária, na Rua Geraldino Martins de Barros, Bairro Centro América, e reiniciada após estabelecimento de uma parceria com a América Latina Logística (ALL), empresa responsável pela ferrovia.

Segundo o secretário de Infraestrutura, Habitação e Serviços Urbanos da Prefeitura, engenheiro Ricardo Amtella, a continuidade dos serviços dependia da autorização da ALL. "Para dar continuidade à obra, teríamos que retirar os trilhos. Entramos em entendimento com a empresa e optamos pela colocação de uma ponte móvel, que vai permitir a continuidade do tráfego no local, sem mais prejuízos à obra", disse.

Na manhã desta terça-feira (18), funcionários da empresa contratada para implantação na galeria e da própria ALL, trabalhavam no local, já preparando a retirada dos trilhos e dormentes, e da escavação do solo, visando continuidade da implantação da galeria celular com diâmetro de 2,5 por 2 metros. Ametlla informou que restam cerca de 70 metros para conclusão de toda a obra, e que é preciso ultrapassar dois ramais da rede ferroviária, um que liga à cidade de Ladário, passando pela fábrica de cimento Itaú, e o outro a Campo Grande. "Acreditamos que em 50 dias, a obra esteja totalmente concluída", projetou.

A obra foi retomada agora, a partir da viabilização de uma ponte móvel de 6,5 metros, pré-moldada, que será instalada no local para atender o tráfego férreo. Os detalhes foram acertados em Curitiba, sede da empresa, após uma reunião entre representantes da Prefeitura e da ALL no Ministério Público Federal, que também se mostrou preocupado com a paralisação. O interesse do MPF foi acelerar o processo para evitar transtornos à população como o ocorrido nos primeiros meses do ano. Na época, com as chuvas torrenciais, a região do Bairro Centro América ficou completamente alagado, causando problemas inclusive em bairros próximos, o que poderia ter sido minimizado com a galeria em pleno funcionamento.

Otimista

Moradora na Rua Geraldino Martins de Barros, às margens da rede ferroviária, Viviane Fonseca Barreto, 30 anos, se diz otimista com o fim de um drama. Para ela, a galeria será fundamental para eliminar as inundações que ocorreram no início do ano na região. "Alagou tudo por aqui. Na minha casa a água não entrou, mas passou ao lado, inundou as casas dos vizinhos. Foi um transtorno, até para sair de casa. Agora, com a continuação da obra, se Deus quiser, não teremos mais este problema. Vai melhorar bastante", comemora.