Agetrat e bolivianos tentam conciliar diferenças na legislação

O diretor-presidente da Agência Municipal de Trânsito e Transporte de Corumbá (Agetrat), Gerson de Moraes, e o comandante da Guarda Municipal, tenente-coronel Ubiratan Bueno, responsável pelo Pelotão de Trânsito do município, receberam na tarde desta terça-feira (04) lideranças de Puerto Quijarro e Puerto Quijarro para debater as diferenças na legislação dos dois países. Os bolivianos querem um prazo maior para regularizarem a situação dos veículos que diariamente atravessam a fronteira e também de seus condutores.

Na Bolívia, o governo federal deu prazo de três meses para que os condutores regularizassem a Carta de Propriedade Veicular e a Licença do Condutor. "Todo o sistema de trânsito boliviano está em reestruturação, é um serviço que demanda tempo, demanda investimentos e pessoas e não será algo a ser feito de imediato. Em princípio, viemos conversar com as autoridades brasileiras para que compreendam esse momento de reestruturação da Bolívia", explicou o cônsul da Bolívia em Corumbá, Juan arlos Romero.

Segundo o oficial Fernando Montaño Cavero, responsável pelo trânsito em Puerto Quijarro e Puerto Suarez, os bolivianos que residem na fronteira precisam ir até Santa Cruz de La Sierra para regularizar os documentos. "As emissões de documentos de permissão para condução e dos veículos eram feitas pela Unidade Operativa de Trânsito daqui, mas ela foi desativada", explicou. De acordo com o representante do Comitê Cívico de Arroyo Concepcion, Antônio Chavez, mais de 200 comerciantes atravessam a fronteira diariamente para vender seus produtos do Brasil.

"Em quase todos os casos, esses documentos venceram no último dia 02 de outubro. Por isso precisamos que as autoridades de Corumbá acompanhem este prazo determinado pelo governo boliviano", afirmou. O coordenador de Movimentos Sociais do Comitê Cívico, Juan Pareja Rios, também participou do encontro. Apesar das argumentações, Gerson Moraes explicou que esta prorrogação não depende exclusivamente da decisão da Agetrat.

"Nós atuamos conforme as normas do Código de Trânsito Brasileiro (CTB). Um entendimento neste sentido, deveria passar também pelo Detran (Departamento de Transito) e pela Polícia Rodoviária Federal", afirmou. A orientação do tenente-coronel Ubiratan Bueno é de que estes veículos com documentação atrasada não circulem pela cidade enquanto o impasse não for resolvido. Uma nova reunião deve acontecer nos próximos dias para buscar alternativas para o problema.

Brasbol e Feira Livre

A prorrogação no prazo para regularização dos veículos e condutores bolivianos interfere também no cadastramento feito pela Agetrat. Desde o início da semana, a Agência de Trânsito está vistoriando e catalogando os carros utilizados nas feiras livres e na Brasbol. A medida busca evitar que os veículos usados pelos comerciantes sejam confundidos com os que praticam transporte irregular de passageiros. Até ontem (04), apenas quatro carros procuraram a Agetrat e ambos apresentavam problemas na documentação.

"A dificuldade que os bolivianos estão enfrentando em atualizar seus documentos de trânsito pode fazer com que o recadastramento seja prorrogado. A procura está sendo muito abaixo do esperado devido a esse impasse", informou o diretor-presidente da Agetrat. O recadastramento deve ser feito das 07h30 às 11h e das 14h às 15 horas na sede da Agetrat, localizada na rua Colombo, 1.766.