Comitê de Integração discute segurança, economia e temas sociais

A primeira reunião do Comitê de Integração Fronteiriça, realizada em Corumbá nesta quarta-feira (28), conta com a participação de diversas autoridades municipais e federais do Brasil e da Bolívia. Durante todo o dia, foram debatidos assuntos relacionados à segurança, economia e ações sociais. "Esses temas foram definidos com base nas experiências que temos em outros comitês de fronteira e integração. Nós fazemos esse tipo de reunião com o Uruguai há sete anos, há três anos com a Argentina e agora começamos com a Bolívia", explicou o diretor do Departamento da América do Sul do Ministério das Relações Exteriores, João Luiz Pereira Pinto.

Segundo o ministro, o objetivo é levantar as necessidades e possíveis soluções para os problemas comuns enfrentados na faixa de fronteira entre os dois países. "Esperamos saber o que as populações da fronteira, especificamente de Corumbá, Puerto Quijarro, Puerto Suárez e também Ladário, esperam e precisam. Porque a realidade fronteiriça é algo completamente diferente do que ocorre em boa parte do Brasil", complementou. Pereira Pinto lembrou ainda que as necessidades fronteiriças, muitas vezes, encontram empecilhos burocráticos que o próprio Governo Federal desconhece.

"Por exemplo, a dificuldade de compras, ou acessos a serviços médicos, de educação. O que Brasília já tem bem claro, é que cada fronteira é diferente uma da outra. Não existe uma solução única para toda ela". Depois de Corumbá-Puerto Suárez, o Comitê de Integração Fronteiriça também deve ser realizado nas cidades de São Matias e Cáceres (Mato Grosso), Guayaramerin e Guajara Mirim (Rondônia), Epitaciolândia, Brasiléia e Cobija (Acre). Depois desta etapa, as autoridades dos dois países vão se reunir e desenhar um plano efetivo para integração fronteiriça.

"As vezes essas discussões levantam uma série de problemas que são comuns a toda a fronteira e outras questões muito especificas. Nosso propósito com essas definições e ver se estas especificidades podem ser resolvidas rapidamente ou não", detalhou o diretor do Departamento da América do Sul do Ministério das Relações Exteriores. As propostas levantadas nos três eixos temáticos formarão a ata da reunião do Comitê de Integração Fronteiriça.