“Se Essa Rua” resgata autoestima das comunidades atendidas

A 8ª etapa do "Se Essa Rua Fosse Minha" não se resume à pavimentação das ruas e alamedas incluídas no programa. Durante o período de execução das obras, várias ações envolverão os moradores dos bairros Cristo Redentor e Guató. Oficinas de geração de renda, economia doméstica, educação ambiental e física, além de muitos outros serviços serão oferecidos pela Prefeitura de Corumbá. "Nosso objetivo é proporcionar melhoria urbana, mas também na qualidade de vida destas pessoas. Através da capacitação profissional, orientação e das rodas de conversa vamos oferecer recursos para otimizar as relações sociais e familiares desta comunidade", explicou Maria Antonieta Sabatel, diretora-presidente da Escola de Governo.

Para atingir este objetivo, serão oferecidas inúmeras ferramentas para que a comunidade se desenvolva e se identifique com o local onde mora. "Estamos focados na parte social do ‘Se Essa Rua Fosse Minha'. Por isso é importante a participação de todas as pastas da Administração Municipal. A colaboração de cada uma amplia os serviços levados aos moradores destas regiões", reforçou a professora Eulina de Medeiros Vieira, responsável pelo acompanhamento do programa na Secretaria Especial de Integração das Políticas Sociais.

Nesta edição, o trabalho com a comunidade estará dividido em 5 eixos estruturantes: Educação e Comunidade; Comunidade e Cuidados Ambientais; Prevenção a Doenças, Exercícios Físicos e Lazer na Comunidade; Famílias e/ou Indivíduos x Violação de Direitos; e Jovem e Comunidade. Alunos dos cursos de pedagogia, ciências biológicas, educação física e psicologia da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) são parceiros da Prefeitura na realização do programa.

As secretarias de Saúde; Finanças e Administração; Educação; Assistência e Cidadania; e as fundações de Cultura e Turismo do Pantanal; Meio Ambiente e Desenvolvimento Agrário; e de Esportes também estão envolvidas nas ações, que começam no próximo dia 19 de julho na sede do projeto Mãos Amigas, no Cristo, e na escola Almirante Tamandaré, no Guató. As atividades serão realizadas semanalmente, sempre às terças, quintas e sábados, quando acontece a manhã de lazer nos bairros.

Outro importante parceiro que se juntou ao "Se Essa Rua Fosse Minha" neste ano foi o Instituto Nacional de Seguro Social (INSS). O órgão vai oferecer toda orientação previdenciária necessária aos moradores dos locais beneficiados pela oitava edição. O Programa é coordenado pela Secretaria Especial de Integração das Políticas Sociais, pasta chefiada pela primeira-dama Beatriz Cavassa de Oliveira.

Perfil

Em 2007, quando teve início o "Se Essa Rua Fosse Minha", a maioria dos calceteiros eram homens. Poucas mulheres buscavam participar do programa. Quatro anos depois, a realidade é outra. "Temos duas turmas sendo formadas no Senai, uma matutina e outra vespertina. Na primeira são apenas três homens, enquanto na outra chegam a quatro. Ou seja, das 55 pessoas que estão sendo capacitadas, 48 são do sexo feminino", apontou Nilson Lino Xavier, um dos responsáveis pela execução do trabalho.

Além de melhorar a infraestrutua das ruas e alamedas onde moram, estas mulheres encontram no programa mantido pela Prefeitura de Corumbá, por meio do Fundo Municipal de Investimento Social (FMIS), uma nova oportunidade de entrar no mercado de trabalho. "Depois de completar o curso e fazer o lajotamento, muitas são aproveitadas pelas empreiteiras e utilizadas na construção civil", completou Xavier.