Plano Nacional de Redução de Acidentes mobiliza corumbaenses

O Plano Nacional de Redução de Acidentes e Segurança Viária Para a Década 2011-2020 foi lançado nesta quarta-feira (11) em todo o País. Em Corumbá, a mobilização reuniu estudantes, empresas, sindicatos dos taxistas e mototaxistas, além das policias Militar, Civil, Corpo de Bombeiros e o Samu. Organizada pela Agência Municipal de Transporte e Trânsito de Corumbá (Agetrat), a passeata percorreu as principais vias do Centro da cidade.

"É mais uma oportunidade de chamar a atenção da população sobre a necessidade de se respeitar as leis de trânsito. A frota da cidade cresceu muito nos últimos dez anos. Hoje são cerca de 25 mil veículos circulando por nossas vias. Daí a necessidade de se intensificar estas ações preventivas", comentou o diretor-presidente da Agetrat, Gerson Moraes. E o trabalho de conscientização desenvolvido no município começa pelos futuros condutores.

Mais de 90 palestras já foram realizadas nas escolas da rede pública e particular de ensino em 2011. "Aprendemos como nos portar nas ruas, seja a pé, de bicicleta ou de carro", disse a estudante Vanessa Regina Freitas, 15 anos, aluna do colégio Adventista. Participando da caminhada de lançamento do Plano Nacional, a jovem moradora da cidade de Ladário demonstrou ter aprendido lições importantes durante as ações da Agetrat. "Nunca atravesso a rua sem prestar bem a atenção nos dois sentidos. Só ando com 100% de certeza que terei tempo de sobra para chegar ao outro lado", afirmou.

Integrantes da Estratégia de Proatividade e Parceria (EPP) também participaram da caminhada. O EPP é formado por várias entidades ligadas à segurança no trânsito. "A Secretaria de Saúde, as polícias Militar e Civil, os Bombeiros e o Samu fazem parte deste grupo", explicou a responsável técnica da Vigilância Epidemiológica de DANT (Doenças e Agravos Não Transmissíveis), Lielza Molina.

Durante a mobilização, a Agetrat distribuiu panfletos com a tabela de preços praticados pelos taxistas e mototaxistas regulamentados. Simulações de acidentes também chamaram a atenção das pessoas que transitavam pela rua. "Acidente é coisa séria. Temos sempre que ter muita atenção, não só com a gente, mas também com os outros", lembrou o entregador Antônio Silva, 35 anos.

Década de Ação

Produzida com a contribuição de organizações governamentais e não governamentais reunidas pelo Comitê Nacional de Mobilização pela Saúde, Segurança e Paz no Trânsito e coordenada pelo Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), a proposta propõem aos governos à sociedade civil o enfrentamento da grave realidade do trânsito no Brasil.

Em comparação aos números apresentados pelo estudo da Organização Mundial da Saúde (OMS), as mortes de trânsito no Brasil representam quase 3% das mortes em todo o mundo. Estudos realizados pelo Denatran, ANTP e Ipea em 2004 e 2006, em aglomerados urbanos e nas estradas, respectivamente, estimaram o custo social dos acidentes no Brasil em cerca de R$ 30 bilhões, em valores de 2010.

Aprovada em março de 2010, pela Assembléia Geral das Nações Unidas (ONU), a Década é uma oportunidade histórica para o incremento de ações com o objetivo de salvar milhões de vidas nos próximos dez anos. Os estudos realizados em 2009 da Organização Mundial de Saúde (OMS), que motivaram a decisão da ONU, registraram 1,3 milhão de mortes por acidente de trânsito em 178 países.