Ruiter propõe debate sobre segurança no Festival América do Sul

Durante reunião do Gabinete de Aliança Puerto Suarez/Corumbá, realizada nesta terça-feira (29) na cidade boliviana, o prefeito Ruiter Cunha de Oliveira (PT) propôs que os debates sobre segurança pública na região de fronteira entre Brasil e Bolívia sejam incluídos na programação do Festival América do Sul, que acontece na capital do Pantanal no final de abril e início de maio deste ano. Para o chefe do Executivo corumbaense, o encontro com os ministros da Justiça do Brasil, José Eduardo Cardozo, e do Interior da Bolívia, Sacha Llorenti, também trouxe boas perspectivas para o município no que se refere à integração com os vizinhos.

"Foi o inicio de uma discussão sobre a integração Brasil/Bolívia na área de segurança. Foi definida uma próxima reunião para que possamos reativar, por exemplo, o Comitê de Fronteira, e que isso tenha um resultado efetivo e prático", observou Ruiter, que continuou: "Tive a oportunidade de explanar e expliquei esta que é uma das grandes preocupações da população corumbaense, o tema segurança. Portanto, é fundamental que isso saia do papel e tenha a praticidade que todos nós queremos".

"Tive a oportunidade de sugerir que o tema seja tratado durante o Festival América do Sul, que ele foi criado justamente para a discussão de assuntos importantes para os países sul-americanos. A cultura é o elo dessa proposta de integração, mas nem por isso podemos deixar em segundo plano temas importantes para o desenvolvimento, o crescimento e a harmonia das nações envolvidas", ressaltou prefeito, acrescentando: "E falar de segurança, em minha avaliação, é importante. Os ministros concordaram e definiram que, no próximo dia 28, teremos a primeira reunião Brasil/Bolívia, em especial do comitê Corumbá/Puerto Suarez, durante o FAS".

Resultados

"Ficou acordado que o início deste trabalho será no dia 28 de abril em Puerto Suarez e em Corumbá, e que a iniciativa será levada adiante com uma reunião das equipes técnicas, tanto do Brasil como da Bolívia, dos municípios, Estados e departamentos para trabalhar e aprofundar as ações deste Comitê", enfatizou o ministro boliviano do Interior, Sacha Llorenti.

Na avaliação do ministro da Justiça do Brasil, José Eduardo Cardozo, já existe atualmente um bom entendimento entre os dois países, mas é preciso ir adiante: "Nossa vinda à Bolívia, sem dúvidas, já tem resultados concretos, não só pela reafirmação do desejo dos dois países de construir uma integração na questão do combate ao crime organizado e na fiscalização na fronteira, mas também pelo fato de que nós municiaremos, a partir de agora, situações de aprofundamento das nossas relações policiais, de fiscalização, combate ao narcotráfico e ao crime organizado".

"Nesta breve reunião que fizemos aqui, pudemos tirar resultados concretos na integração das equipes técnicas, na realização de cursos de formação conjuntos entre autoridades policiais e militares de instituições bolivianas e brasileiras, ou seja, a ideia é realmente agir de forma integrada", complementou Cardozo.

União

Ainda segundo o ministro brasileiro, o relançamento dos comitês de fronteira simboliza a união dos países e municípios localizados na região e dá operação a um conjunto de ações voltadas à Segurança Pública. "A ideia é que no dia 28 façamos uma reunião preparada com o objetivo de diagnosticar o que nós podemos fazer com os recursos que nós temos, melhorando a gestão, a forma de atuação e em que precisamos de mais recursos dos dois países", detalhou.

"A intenção é que essa seja uma reunião diagnóstico, que avalia o quadro que está posto mas também projete um planejamento de ação para o futuro. Isso tudo reafirma que a política dos dois governos: a integração é o caminho para o tratamento das fronteiras e nós estamos dando os passos necessários para que isso ocorra", completou Cardozo.