Em busca do tri, Império ilumina avenida reverenciado o Sol

‘Na luz de um novo amanhecer eu quero ver… O astro rei aparecer pra me aquecer… A luz que brilha é vida… Em Corumbá é meu império na avenida…'. Reverenciando o astro rei, o sol, a Império do Morro encerrou a noite de desfile das escolas de samba do Carnaval de Corumbá, já nas primeiras horas da manhã desta terça-feira (08). Mais uma vez, a agremiação levantou a torcida em busca de seu tricampeonato consecutivo (ganhou 2009 e 2010), com muito brilho, belas fantasias e cinco carros alegóricos, criteriosamente confeccionados pelos seus carnavalescos Manoelzinho, Clemilson e Lynno Brandão. Segundo estimativa da Polícia Militar, 40 mil pessoas acompanharam o desfile.

Fundada em 15 de agosto de 1958 pelo casal Venância Duarte e Chá Ana, a Império, presidida por um dos filhos do casal, José Carlos Duarte, tendo Roberto Soares Freitas como presidente de honra, apostou suas fichas no enredo ‘A Império conta e canta a influência do sol sobre as civilizações'. O samba é de autoria de Wander Timbalada, também intérprete, e Mariano Araújo. A verde e rosa trouxe para a avenida 1.500 componentes, cinco carros alegóricos, e uma bateria com 180 ritmistas.

Valorizando o dourado e o amarelo, ela mostrou o valor do sol no decorrer das histórias das civilizações, sua energia, a vida e o seu reinado absoluto. As cores da escola também tiveram papel importante na apresentação, presente principalmente na ala Primavera. O desfile foi aberto por uma comissão de frente formada por 10 bailarinos que representarão a grande explosão, o Big Bang. A coreografia ficou por conta de Chico Neller, do Ginca Cia de Dança.

O carro abre alas veio em seguida, representando o sistema solar e a coroa imperial, símbolo da agremiação. Durante o desfile, destaques para a rainha da bateria, Carol Duarte, com a fantasia Lua, e para a madrinha Lucila Vitório, de estrela. Os ritmistas da bateria fantasiados de Guaracy, Deus do Sol na mitologia tupi-guarani, também proporcionaram o show à parte, com muita coreografia, acompanhadas das passistas, fantasiadas de índias.

A civilização Inca também foi lembrada pela Império, assim como os Maias, os Astecas, a China, Grécia e a Roma; a primavera, o verão, o outono e o inverno, que sofrem influência do sol, alas acompanhadas pelo carro do zodíaco. Mostrou também o arco-íris, os raios ultravioletas, eclipse, a diversidade, e encerrou o desfile com o carro alegórico representando o por do sol de Corumbá.