Chamando à reflexão, Corumbá celebra o Combate ao Racismo

Convidando toda a sociedade a refletir sobre o tema, Corumbá celebra nesta segunda-feira (21) o Dia Internacional de Combate ao Racismo. "Hoje o mundo inteiro é instigado a pensar sobre atitudes desumanas praticadas por seres humanos, como o racismo, a intolerância, a xenofobia e qualquer outro modo de discriminação", destaca Rogério César, assessor de Promoção da Igualdade Racial do Município. O fato que gerou a reflexão foi o massacre ocorrido em Shaperville, África do Sul, em 21 de março de 1961, quando mulheres e crianças que participavam de um protesto contra a Lei do Passe foram fuziladas pela polícia do regime Apartheid. Em 1969, a Organização das Nações Unidas (ONU) instituiu este dia como o Dia Internacional de Combate ao Racismo, em homenagem às vítimas desse terrível episódio.

"No Brasil, sobretudo, onde o período de escravidão dos negros foi o maior em todo o continente, uma reflexão mais intensa se faz necessária. A cordialidade do brasileiro faz com que muitos tenham a idéia errada de que a discriminação racial findou com a abolição da escravatura em 13 de maio de 1888. As políticas públicas que se desenvolvem para combater o racismo e a desigualdade racial são ainda duramente criticadas pela sociedade", continua Rogério, frisando que a data não serve apenas para homenagear as vítimas de Shaperville, mas para que o mundo inteiro aja concretamente na eliminação dessas atitudes desumanas.

"A centralidade da luta contra o racismo é condição para a construção de um projeto civilizatório fundado na diversidade e na democracia", acrescenta Rogério. Responsável pela área de promoção da igualdade racial em Corumbá – pasta criada pelo prefeito Ruiter Cunha de Oliveira (PT) no início de seu primeiro mandato -, ele defende que o combate à discriminação racial deve se desenvolver nas relações privadas cotidianas e nas instituições. "É preciso reconhecer e valorizar as formas civilizatórias não ocidentais e enfrentar o Racismo Institucional presente nas estruturas públicas e privadas, enfatizando que as instituições precisam refletir a diversidade e estarem abertas ao diálogo com as diferenças, em todas as suas manifestações", complementa.

"Mesmo que a discriminação racial e de outras formas ainda esteja impregnada em nosso cotidiano, algumas conquistas já foram alcançadas. A conquista mais significativa no combate ao racismo é a criação do estatuto da igualdade racial que se expressa pela adoção de políticas públicas de conteúdo anti-racista e promoção da diversidade. Mas são políticas caracterizadas como embrião de uma nova concepção de institucionalidade que precisa ser construída", salienta o assessor.

Rogério destaca ainda a importância de o Brasil celebrar o Dia Internacional de Combate ao Racismo. "Que o 21 de março não seja apenas mais um daqueles dias que estão escritos nas agendas como datas especiais. Nem tampouco, só um dia de palestras, ritos e homenagens. Mas que, a cada dia 21 de março, o Brasil e o mundo possam perceber avanços na eliminação das atitudes desumanas de racismo, xenofobia e qualquer que seja a discriminação", conclui.