Prefeitura já implantou 18 quilômetros de drenagem em Corumbá

As galerias que a Prefeitura de Corumbá está implantando na cidade são consideradas fundamentais para captar toda a água de chuva da parte alta e despejá-las no Rio Paraguai. No entanto, somente isto não basta. São necessárias obras de drenagens de águas pluviais para eliminar inundações localizadas, e isto é seguido à risca em Corumbá. Nos últimos seis anos, por determinação do prefeito Ruiter Cunha de Oliveira (PT), todo pavimento asfáltico só é executado juntamente com a implantação de drenagem.

O secretário municipal de Gestão Governamental, Cássio Augusto da Costa Marques, que acompanha o processo desde o início da primeira gestão do prefeito Ruiter, explicou que as dificuldades para realizar obras de drenagem são enormes, principalmente no que se refere aos custos, em virtude da grande quantidade de rocha no subsolo da área urbana. "O prefeito buscou recursos, parceiros, e hoje, todos os bairros que já foram pavimentados e outros que estão recebendo o mesmo benefício, contam com drenagem. Isto é fundamental para evitar inundações", explicou.

Para se ter uma ideia, nos últimos seis anos, a administração do prefeito Ruiter pavimentou mais de 300 mil metros quadrados de vias públicas em Corumbá, beneficiando moradores do conjunto Previsul e dos bairros Aeroporto, Centro América, Cristo Redentor, Popular Nova, Nossa Senhora de Fátima, Maria Leite, Guanã, Guatós, Nova Corumbá, Jardim dos Estados, Guarani, Universitário e Popular Velha. Todas as obras foram acompanhadas de aproximadamente 18 quilômetros de drenagem.

Atualmente, os trabalhos estão sendo executados no bairro da Popular Velha e fazem parte de um projeto realizado em parceria com o Governo Federal, via Ministério da Integração Nacional, que atendeu também parte dos bairros Aeroporto, Guanã e Guatós. São mais de R$ 4 milhões, boa parte aplicado em drenagem. Só na Popular Velha, estão sendo implantados 880 metros, com a utilização de manilhas, que estão atendendo as ruas Ladário, Tiradentes, Antônio João e Antônio Maria – entre a Pedro de Medeiros e Theodomiro Serra -, e em toda a extensão da Pedro de Medeiros, em frente à futura sede do Instituto Federal de Mato Grosso do Sul (IFMS) e do Parque Urbano Zumbi dos Palmares, ambos em construção, além de outros 960 metros de galeria.

Aeroporto

A primeira intervenção na área de drenagem aconteceu em 2005, no primeiro ano da gestão anterior. Foi no bairro Aeroporto e permitiu solucionar um gravíssimo problema enfrentado pelos moradores da região, na Rua Gonçalves Dias. No local, a Prefeitura executou um gigantesco projeto de drenagem profunda e superficial para pôr fim às frequentes inundações em período de chuvas, além de urbanização. Foram 11 quadras asfaltadas, além de 1,8 mil metros de drenagem.

O Nossa Senhora de Fátima foi outro bairro atendido pela Prefeitura que investiu cerca de R$ 2 milhões em obras de drenagem e pavimentação asfáltica. Os serviços foram divididos em duas fases. Na primeira, a administração do prefeito Ruiter implantou 600 metros de galeria de água pluvial na Rua Luis Feitosa e, em seguida, o asfalto. Somente na galeria, a Prefeitura investiu R$ 650 mil (recursos próprios). A obra é responsável direto pela captação de água pluvial que desce da região de morraria. Ela está interligada à drenagem profunda executada na Popular Nova e à galeria existente na Rua Duque de Caxias. Além disso, foram implantados 19.768 metros quadrados de pavimento asfáltico, investimento de R$ 1.449.382,84, recursos provenientes do Governo Federal e contrapartida do município.

Centro América

No bairro Centro América foram investidos R$ 1,2 milhão para implantação de drenagem de água pluvial e 20.151 metros quadrados de asfalto. O projeto fez parte de um contrato no valor de R$ 914.635,19, assinado com a Caixa Econômica Federal (CEF), sendo R$ 780 mil via banco, provenientes de emenda parlamentar ao Orçamento Geral da União, e R$ 134.635,19 contrapartida da Prefeitura que investiu ainda outros R$ 285,4 mil em drenagem, necessária para implantação do asfalto em praticamente todo o bairro, inclusive profundas, para rebaixamento do lençol freático que, naquela região, era muito superficial.

O projeto de pavimentação do bairro Centro América fez parte do Programa de Apoio ao Desenvolvimento Urbano de Municípios de Pequeno Porte, do Governo Federal. Além disso, foram investidos outros R$ 477.992 na implantação de galeria de águas pluviais, interligando os bairros Maria Leite e Previsul, beneficiando também o Centro América, localizado ao lado.

Maria Leite

Moradores do Maria Leite também ganharam benfeitorias. Somente em drenagem a Prefeitura investiu R$ 1,3 milhão além de R$ 1,5 milhão em pavimentação asfáltica. Desse total, R$ 2,07 milhões vieram do Orçamento Geral da União, por meio de articulação parlamentar, e R$ 730 mil da própria Prefeitura Municipal, provenientes de impostos, como o IPTU, principalmente, na implantação de 2.278 metros de drenagem com tubos de concreto, e 14.682 metros quadrados de asfalto.

Hoje, a Prefeitura já projeta aplicação de R$ 2,36 milhões para mais obras de drenagem e asfalto. Além disso, por meio de emenda do deputado federal Vander Loubet (PT), enviada direto ao Governo do Estado, o bairro terá mais de R$ 700 mil para pavimentação asfáltica.

Outra obra importante foi a ligação do centro da cidade à região sul, região da Nova Corumbá. Os investimentos somaram R$ 2,2 milhões, recursos oriundos da própria municipalidade e do Orçamento Geral da União, por meio de emendas parlamentares. Foram mais de 25 quadras pavimentadas, além de drenagem, galerias de águas pluviais e sinalização, garantindo infraestrutura a parte alta da cidade, valorização dos imóveis localizados e a ligação Guanã ao centro, desafogando a Cyríaco de Toledo, até então, única via de acesso à região.