Galeria do Aeroporto vai livrar região de focos do Aedes aegypti

Além de contribuir para livrar a região de inundações, a galeria de águas pluviais que a Prefeitura de Corumbá está implantando no bairro Aeroporto será importante também para reduzir os focos de proliferação do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue. As obras estão em andamento e fazem parte da primeira etapa do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), do Governo Federal, desenvolvido na cidade em parceria com a Prefeitura.

A galeria está sendo implantada entre os trilhos da ferrovia e a área da Infraero, e integra um grande projeto iniciado pelo prefeito Ruiter Cunha de Oliveira (PT) para eliminar definitivamente inundações em períodos de chuvas intensas tanto naquele bairro quanto na Popular Nova, Jardim dos Estados, Nossa Senhora de Fátima, Popular Velha e Centro América, entre outros. Esta é a segunda grande galeria em implantação no município, cujos investimentos somam R$ 5,1 milhões.

Nesta semana, agentes de endemias que participam da mega operação no bairro Aeroporto demonstraram preocupação com um canal natural de água pluvial, a céu aberto, às margens do trilho, considerado propício para a proliferação do mosquito. Com a galeria, toda esta água será captada, conduzindo-a até a galeria do Aeroporto Internacional de Corumbá, chegando à Baia do Tamengo.

As obras foram iniciadas pelo prolongamento da Rua Joaquim Wenceslau de Barros, devendo atingir a José Fragelli, até a Popular Nova. Segundo o secretário municipal de Infraestrutura, Habitação e Serviços Urbanos, Ricardo Campos Ametlla, outra galeria está projetada para ser construída na Rua Luís Feitosa, passando pela Duque de Caxias até a Joaquim Wenceslau de Barros. Dessa forma, toda água captada será conduzida por meio de um canal, à beira do trilho, e interligado à galeria do Aeroporto Internacional. Serão cerca de três quilômetros, com diâmetros de 2,5 por 2 metros.

A galeria segue o mesmo padrão da obra em execução na Rua Geraldino Martins de Barros, antiga Oriental. Ela terá cerca de 900 metros de extensão, vai interligar a galeria do Cristo Redentor, que passa pela Popular Velha, até a existente no centro da cidade, na Rua Tenente Melquíades de Jesus, ao lado da Escola Tenir. Os serviços foram iniciados pela Rua Tenente Melquíades, passaram pela Colombo e estão agora na Geraldino de Barros. Todas as galerias serão responsáveis pelo escoamento da água pluvial da parte alta da cidade até o Rio Paraguai.